Acusação contra Duda Mendonça irrita advogado do publicitário

A acusação de enriquecimento ilícito oferecida pelo Ministério Público contra o publicitário Duda Mendonça provocou reação veemente de seu advogado, Hélio Santana. "Isso não tem pé nem cabeça. É uma acusação política de alguém que quer se promover", disse Santana à Agência Estado, relacionando a denúncia à grande exposição de Duda como marqueteiro da campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Duda nunca esteve envolvido em nenhum escândalo. Há tantos adjetivos e juízos de valor nessa ação que fica evidente um açodamento de natureza política", acrescentou.Santana afirmou que em julho de 1998 a empresa de Duda, a A2CM, foi contratada para a campanha do PSDB e deu consultoria a empresas que faziam a publicidade do governo fluminense. Na época, afirmou, seu cliente permaneceu em São Paulo, envolvido na campanha eleitoral do ex-prefeito Paulo Maluf. Ele disse que a A2CM prestou serviços a 17 governos estaduais no período. "Alguém tem alguma dúvida do expertise do Duda em marketing eleitoral?", questiona.Duda e sua empresa são citados em ação do promotor Rogério Pacheco Alves, da 7.ª Promotoria de Proteção aos Interesses Difusos, à 6.ª Vara de Fazenda Pública. Também são acusados o ex-governador Marcello Alencar (PSDB), cujo mandato durou de 1995 a 1998, o ex-secretário de Fazenda Marco Aurélio Alencar, filho de Marcello, dois ex-funcionários do governo e outras seis empresas de propaganda. Eles teriam lesado os cofres públicos em R$ 5,17 milhões.O promotor acusa os réus de terem transferido irregularmente metade das verbas publicitárias do governo estadual para a A2CM. Santana afirmou que todos os contratos da empresa foram apresentados à CPI que investigou o caso, na qual Duda depôs na condição de testemunha, e foram aprovados pelo Tribunal Regional Eleitoral. Para ele, está havendo perseguição política contra Marcello Alencar. "O alvo é o ex-governador e Duda entrou como bode expiatório." Ele disse também que Duda não foi ouvido antes do oferecimento da denúncia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.