Acuado, diretor do Senado se demite

Agaciel Maia é acusado de não registrar em seu nome casa de R$ 5 milhões; saída foi negociada com Sarney

Cida Fontes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

04 de março de 2009 | 00h00

Pressionado pelas lideranças de partidos aliados e de oposição, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), aceitou ontem o pedido de afastamento do diretor-geral da Casa, Agaciel Maia, acusado de não registrar em seu próprio nome uma casa no valor de R$ 5 milhões. Sarney começou a costurar a saída do diretor-geral anteontem à noite, em sua residência em Brasília, em conversa com o próprio Agaciel. Na ocasião, ambos constataram que as denúncias contra ele continuariam expondo o Senado.Ontem pela manhã, após um breve encontro com o Agaciel em seu gabinete, Sarney acabou recebendo e aceitando a carta com o pedido de afastamento definitivo do cargo."Uma solução transitória enquanto se apura as denúncias manteria o problema latente, por isso, a decisão é definitiva", disse Sarney, após o rápido encontro com Agaciel. O presidente do Senado observou que agora cabe ao Tribunal de Contas da União (TCU) examinar o assunto com base na declaração patrimonial de Agaciel. Assumirá o cargo interinamente, até a escolha do substituto permanente, o atual diretor-geral adjunto do Senado, Alexandre Gazineo.Agaciel Maia teria usado o irmão, o deputado João Maia (PR-RN), para ocultar o imóvel. Ele reconheceu que não transferiu a casa para o seu nome, mas afirma ter declarado o imóvel à Receita Federal, em seu Imposto de Renda, em 1996. "Mostrei documentos, declarações de imposto de renda e todas as certidões que provam que não há nada contra mim. Mas, por mais que eu mostre que eu não fiz nada de errado, que sou um servidor honesto e probo, existe uma coloração política em cima de tudo isso. Não vou ser motivo de desagregação político-partidária nesta Casa, até porque não tenho importância para isso", argumentou Agaciel, ao se defender das denúncias. Ao aceitar o pedido de demissão, Sarney argumentou que o Senado não pode ter a sua imagem prejudicada por denúncias que envolvam os servidores da Casa. "Lamento que esse episódio tenha levado a isso, mas reconheço que, para a imagem do Senado, nenhum de nós tem o direito de prejudicá-la", declarou Sarney. Anteontem, o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) defenderam o afastamento imediato de Agaciel Maia. Na avaliação dos senadores, a manutenção do então diretor-geral no cargo afetava negativamente a imagem do Senado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.