Acordos com FMI podem ser revistos, diz Lula

Os recentes acordos firmados pelo presidente Fernando Henrique Cardoso com o Fundo Monetário Internacional (FMI) deverão ser revistos, se o pré-candidato e presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, for eleito presidente do País, na sucessão 2002. A previsão foi feita hoje pelo próprio Lula, que participou da Caravana de Solidariedade aos Atingidos pela Seca e Contra a Exclusão, patrocinada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) e pela Confederação dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), em Petrolina.Lula declarou que o compromisso do partido com a população é manter apenas o que for benéfico para o Brasil. "Não concordo com todos os acordos fechados junto ao FMI. Por isso eles deverão ser revistos, se formos eleitos", comentou. Lula disse ainda que a decisão de "rever" os atuais contratos não significa que o PT colocará em xeque a economia do País. "Os bons projetos serão mantidos, porém não continuaremos com ações que prejudicam o povo brasileiro".Sobre a crescente popularidade da governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), que aparece em terceiro lugar nas pesquisas de intenção de voto para a presidência da República, Lula disse que ainda é cedo para dar grande importância. "Estou em primeiro lugar nas pesquisas, mas tenho consciência que ainda falta muito tempo para as eleições. Não podemos nos acomodar com os atuais resultados."Agenda O candidato petista participou também de um almoço com membros do diretório do PT e se reuniu com o prefeito de Petrolina, Fernando Bezerra Coelho (PPS). Segundo a vice-prefeita de Petrolina, Isabel Cristina (PT), apesar de Bezerra Coelho apoiar a candidatura de Ciro Gomes (PPS) ao Planalto, adversário de Lula, os dois trataram dos rumos da oposição no Estado. "O importante é que as esquerdas se mantenham unidas, pois isso permitirá a vitória já no primeiro turno", avaliou Lula.À tarde, o líder do Partidos dos Trabalhadores seguiu para Juazeiro (BA), onde realizou o encerramento do Seminário Políticas Alternativas de Convivência com a Seca e Combate à Fome e Pobreza no Nordeste. Nesta segunda-feira ele visitará Tuparetama e depois participará de uma manifestação em Afogados da Ingazeira - ambos municípios de Pernambuco. Na terça-feira, a caravana segue para Tauá, no Ceará, onde haverá uma visita a uma experiência alternativa ao enfrentamento da seca. Lula participará de manifestação dos sindicatos da região na quarta-feira, e na quinta-feira vai encerrar a caravana em Fortaleza, com um ato público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.