Acordo pode evitar julgamento de sanguessugas

O líder do PL na Câmara, Luciano Castro, com apoio de outros cinco líderes, pediu nesta terça-feira urgência para votação do projeto do deputado Paulo Magalhães (PFL-BA), que altera as regras para desarquivamento de proposições na Câmara no início de cada legislatura. De acordo com o projeto, a representação por falta de decoro parlamentar só poderá ser desarquivada se houver "fato novo". Na prática, essa proposta pode impossibilitar o julgamento dos parlamentares envolvidos na máfia das sanguessugas que ainda não tiverem sido julgados. Os líderes que apóiam Castro são: do PT, Henrique Fontana (RS); do PMDB, Wilson Santiago (PB); do PCdoB, Inácio Arruda (CE); do PP, Mário Negromonte (BA); e do PSC, Pastor Amarildo (TO). Hoje, a retomada do processo por quebra de decoro em outra legislatura depende apenas de decisão do presidente da Câmara ou da reapresentação da denúncia por algum partido político. O líder do PFL, deputado Rodrigo Maia (RJ), criticou o pedido de urgência para a proposta de Magalhães, e advertiu que a concessão da urgência pode prejudicar a votação de matérias importantes porque essa mudança de regras é um tema muito polêmico. Ele argumenta que é preciso discutir mais esse assunto. "As leis não podem ter nomes, elas têm que atender o coletivo e não o individual", avalia Rodrigo Maia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.