Acordo deve destrancar pauta para votação da CPMF

O presidente da Câmara, Aécio Neves, iniciou no início da noite desta terça-feira a ordem do dia da sessão do plenário. A sessão começou com a discussão da MP que institui o seguro safra para pequenos produtores rurais na região da seca do Nordeste do País. O governo conseguiu contornar algumas divergências em relação à proposta original, que previa o benefício apanas para os produtores da Região Nordeste e do norte de Minas Gerais. O governo concordou em ampliar o seguro para toda a área de influência da Sudene, acrescentando municípios do Vale do Jequitinhonha, em Minas e do norte do Espírito Santo. Isso deverá facilitar a votação da MP, aumentando as possibilidades de serem votados ainda hoje todos os destaques da proposta de emenda constitucional que prorroga a vigência da CPMF, entre eles, o que isenta as bolsas de valores desta contribuição. Às 18 horas, tinham registrado presença no plenário 357 dos 423 deputados que registraram comparecimento nas dependências da Câmara. Este quórum está muito próximo do que é considerado ideal pelos líderes da base governista para a rejeição do destaque do bloco PSB-PC do B, que retira do texto da PEC a isenção da CPMF das bolsas. Nesta votação, os líderes governistas precisam de 308 votos e, por isso, estipularam um quórum entre 440 e 450 deputados presentes para não haver risco de derrota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.