Acordo com Kassab faz DEM apoiar Marinho

Ele terá maioria na Câmara de São Bernardo e aliado na presidência

Joaquim Alessi, SÃO BERNARDO DO CAMPO, O Estadao de S.Paulo

02 de janeiro de 2009 | 00h00

Um dos principais aliados do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro do Trabalho e da Previdência Social Luiz Marinho (PT) fez um acordo com o prefeito reeleito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e tomou posse ontem na Prefeitura de São Bernardo do Campo já contando com a bancada do DEM, de dois vereadores, na sua base da sustentação.O apoio do DEM, principal opositor do governo Lula em Brasília, deu a Marinho a maioria na Câmara Municipal de São Bernardo. Ele tinha o apoio de apenas 9 dos 21 vereadores, sendo 6 do PT, 2 do PPS e 1 do PT do B. A adesão dos integrantes do DEM ampliou a base aliada para 11 integrantes e assegurou, ontem mesmo, a eleição de Otávio Manente (PPS), apoiado pelo petista, para chefiar a Casa.Marinho não só confirmou o acordo como disse que o DEM terá participação no governo. Ele vai anunciar quatro secretários na segunda-feira, incluindo o mais aguardado, o titular da pasta de Obras. Nos bastidores, os comentários são de que o partido de Kassab deverá indicar diretores na estratégica Secretaria de Serviços Urbanos.Para o prefeito do PT, a aliança com Kassab não o impedirá de ser um dos principais cabos eleitorais do candidato petista à sucessão do presidente Lula em 2010, mesmo com o cenário de um confronto com o governador José Serra (PSDB), principal aliado de Kassab. "Dilma deve ser confirmada a candidata e eu seguramente participarei da campanha", disse Marinho. Ele reforçou que o acordo com Kassab tem apenas o objetivo de garantir a governabilidade em São Bernardo e destacou o "bom relacionamento administrativo" entre Lula e Serra.AFINIDADEUma das principais auxiliares de Lula, a subchefe da Casa Civil, Miriam Belchior, representou o presidente na posse. Marinho rasgou elogios: "Só não é secretária porque o presidente não abriu mão dela."O forrozeiro Frank Aguiar (PTB) tomou posse como vice e afirmou que renunciou ao mandato de deputado para se dedicar à cidade. Ele atuará como vice-prefeito e o seu partido não terá nenhuma secretaria no governo, ao contrário do DEM.A primeira medida anunciada por Luiz Marinho foi o contingenciamento de 10% do orçamento de São Bernardo previsto para este ano, que é de R$ 2,3 bilhões, o terceiro maior do Estado. "Nossa região sofrerá com a crise, principalmente São Bernardo", justificou ele, ao explicar o porquê da cautela com as despesas. A decisão foi confirmada pelo seu secretário de Finanças, Jorge Mattoso, ex-presidente da Caixa - afastado por acusação de violar o sigilo do caseiro Francenildo dos Santos Costa, em 2006, em meio ao escândalo da República de Ribeirão.Depois da posse na Câmara, Marinho e Frank discursaram para um público reduzido na Esplanada do Paço, onde houve show de Sérgio Reis e de grupos musicais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.