Ações de empresas de Eike fecham em queda de quase 10%

Ações despencaram depois que a PF confirmou ter executado mandado de busca e apreensão na casa de Eike

11 de julho de 2008 | 18h39

As ações das empresas do empresário Eike Batista despencaram na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) nesta sexta-feira, 11, depois que a Polícia Federal confirmou ter executado mandado de busca e apreensão de documentos na casa do controlador das empresas, e na sede da MMX. Veja também:Eike Batista: o 3º homem mais rico do Brasil  MMX Amapá nega que tenha cometido irregularidades  As ações da Polícia Federal no governo LulaOGX e MMX despencam após busca na casa de Eike BatistaEike Batista é alvo da PF em ação contra fraude em licitação  As ações ordinárias (ON, com direito a voto) da OGX, que chegaram a cair mais de 22% no pregão, fecharam em baixa de 10,51%. A forte queda acabou atraindo compras de pessoas físicas, segundo um corretor. Já as ações da MMX recuaram pouco mais de 16% na mínima e terminaram em queda de 9,78%. Ambos os papéis não integram o Ibovespa - índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) - que fechou em baixa de 0,17%. Os mandados executados pela PF hoje fazem parte da Operação Toque de Midas, que investiga irregularidades na concessão da estrada de ferro do Amapá, que liga os municípios de Serra do Navio e Santana. A concessão é administrada hoje pela MMX Amapá, cujo controle foi vendido no início do ano para a companhia sul-africana Anglo American. Em nota, a empresa negou irregularidades e se colocou à disposição da Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.