Ações da PF ajudam popularidade de Lula, diz jornal suíço

'Le Temps' diz que, apesar do aumento das ações, elite brasileira não fica presa por mais de um par de horas

da Redação,

15 de julho de 2008 | 15h09

As ações da Polícia Federal são uma bandeira do presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde que assumiu a Presidência em 2003, e o ajudaram a recuperar a popularidade perdida na época do mensalão, em 2005. A avaliação é do jornal suíço Le Temps, que traz uma série de reportagens sobre o País no combate aos crimes financeiros, na edição desta terça-feira.  Veja também:Encontro de Lula com Mendes e Tarso quer mostrar 'harmonia' Presidente do STF justifica libertação de Dantas  Opine sobre nova decisão que dá liberdade a Dantas Entenda como funcionava o esquema criminoso Veja as principais operações da PF desde 2003 As prisões de Daniel Dantas A publicação tratou ainda da participação de bancos suíços em crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro, e explicou a recente operação que resultou na prisão do banqueiro do Opportunity, Daniel Dantas, o megainvestidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.  O Le Temps afirma que Lula investiu na PF com aumento do efetivo, modernização de procedimentos e combate aos "maus elementos". As operações passaram a ter como alvo um maior número de representantes da elite econômica do País e também de juízes, funcionários e políticos acusados de corrupção. E servem, ainda segundo a publicação, para afirmar que a corrupção nunca "foi tão combatida" e que a polícia "ajuda a aprofundar a democracia".  No entanto, o jornal ressalta que a tal elite brasileira não fica presa por mais de um par de horas. "Apesar dos avanços, os delitos financeiros e a corrupção de agentes públicos continuam impunes. O Brasil possui leis necessárias, mas os tribunais são lentos e a possibilidade de recursos, infinita", diz a publicação. (Com Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.