ACM volta a cobrar investigação na Sudam e Sudene

O ex-presidente do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) fez há pouco discurso da tribuna do plenário do Senado cobrando do ministro da Integração Regional, Fernando Bezerra, uma investigação detalhada em todas as empresas que receberam recursos no âmbito da Sudame da Sudene.Segundo o senador, a investigação tem que ser completa e não poramostragem. Ele defendeu que a Sudam e a Sudene recebam o mesmo tratamento. Na Bahia,segundo ele, existem três casos de empresas que receberam recursos da Sudene.Advertiu que caso essas empresas não tenham cumprido à risca as condições impostaspara a concessão dos benefícios, os empresários devem ser presos porque seriamladrões do dinheiro.Antônio Carlos Magalhães voltou a atacar indiretamente opresidente do Senado, Jader Babalho, dizendo que nas eleições de 2002 os senadoresserão cobrados e pagarão o preço de terem mantido na presidência do Senado umsenador sobre o qual existem suspeitas."Isso não é bom para o Senado, não é bom para ainstituição nem para a democracia e nem para o Brasil", afirmou.Segundo ACM, ospróprios correligionários do atual presidente do Senado serão castigados peloeleitorado caso se mantenham a seu lado.Disse ainda que fará novas acusaçõe napróxima semana. Sobre as especulações sobre seu estado de saúde durante o fim desemana, disse: "Volto melhor turbinado para utilizar o meu trombone".Afirmou aindaque o Senado tem que estar vigilante na escolha dos diretores que vão integrar aagência que substituirá o DNER.Segundo ele, caso essa agência seja controladapelo mesmo grupo político que vem controlando o DNER, poderá ser uma alternativa piorainda.Ressaltou que o seu objetivo ao pedir investigações sobre casos decorrupção não é destruir o governo e sim "a corrupção que afeta algunssetores do governo".

Agencia Estado,

26 de março de 2001 | 17h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.