ACM recebe nova homenagem

O presidente do Senado, Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), aproveitou a sessão de despedida do cargo, hoje, no plenário da Casa, para pedir uma reflexão dos senadores sobre o voto que darão amanhã, na eleição para a escolha de seu sucessor. "Temos que conviver com todos e a única exigência é a moralidade, a linha a ser seguida", disse para uma platéia de pouco mais de uma dezena de senadores.Após ouvir elogios do líder do governo no Senado, José Roberto Arruda, pela luta em favor da valorização do Congresso, Magalhães advertiu que quem não ajudar a combater a corrupção ficará com uma mancha em sua consciência. O senador disse ainda que, a partir de amanhã, seja qual for o resultado da eleição no Senado, estará presente no plenário. "Eu estarei aqui, bem perto do meu querido colega Paulo Souto (PFL-BA), não só ouvindo como também verberando sempre contra os atos injustos ou imorais sejam praticados por quem quer que seja." O vice-presidente do Senado, Geraldo Melo (PSDB-RN), também elogiou a gestão de Magalhães, afirmando que o Senado não será o mesmo após a saída de ACM. As bandeiras defendidas por Magalhães também foram lembradas pelos senadores em seus elogios. Eduardo Suplicy (PT-SP) destacou a criação do Fundo de Erradicação e Combate à Pobreza e a criação da CPI que investigou o Judiciário. José Fogaça (PMDB-RS) exaltou a luta de ACM para restringir a edição de medidas provisórias. "Se as medidas provisórias forem limitadas no Brasil, esse mérito é de Vossa Excelência", comentou Fogaça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.