ACM quer explicação sobre empresa do filho de Lula

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) pediu nesta terça-feira, 28, que a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, explique os motivos que levam órgãos do governo e empresas de telefonia a anunciar na Play TV - ex-Rede 21. Segundo denúncia do jornal Folha de S. Paulo, a empresa do Grupo Bandeirantes compartilha o faturamento líquido obtido com verbas do governo federal com a Gamecorp, da qual é sócio o filho do presidente Lula, Fábio Luiz Lula da Silva."Estamos cansados de, a cada dia, trazer duas, três, quatro denúncias (...). Lulinha já está condenado, todos aqui já sabem que ele participa da verba publicitária com a TV 21", afirmou o senador. ACM elogiou o juiz Régis Bonvicino, da 1ª Vara Cível do Fórum de Pinheiros que, segundo a matéria, recusou o pedido do advogado da Rede 21, Walter Vieira Ceneviva, para que o contrato favorecendo a Gamecorp fosse mantido em sigilo. "É uma lição e um alerta ao próprio governo", defendeu, lembrando dos argumentos do magistrado para negar o pedido.O juiz argumenta que "convém ao interesse público que o contrato seja regido pelo princípio da publicidade porque um dos contratantes é filho do presidente da República e, em tese e sempre em tese, sem qualquer prejulgamento por parte deste juízo, fazem-lhe acusações de uso inadequado de verbas públicas"."O juiz tem razão", apoiou ACM. "Convém mesmo que esses contratos, inclusive os anteriores celebrados com a Telemar sejam conhecidos, para que fique claro como foi possível ao filho do presidente, em menos de dois anos, levar sua firma medíocre, com capital de R$ 10 mil, à condição de sócia de uma concessionária pública de telefone, com um aporte de R$ 10 milhões, 520 vezes superior ao seu capital".O senador lembrou que a Gamecorp tornou-se sócia de uma emissora de TV, "com um acordo que a torna beneficiária direta de recursos vindos de patrocinadores governamentais". "É o governo que está dando dinheiro para a empresa que é sócia de Lula Filho na TV do canal 21", acusou.O líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que o governo não tem nada a esconder nessa questão. Segundo ele, "existem critérios para diversas televisões, inclusive para a Rede 21". Segundo ACM, os critérios são falsos. "Porque só faz isso para as empresas ligadas ao PT, que vivem das empresas do PT", acusou, citando a revista Carta Capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.