ACM Neto: PT não terá mais como contestar mensalão

Integrantes da oposição afirmaram hoje que o relatório final da Polícia Federal (PF) comprova de vez a existência do mensalão no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, jogando por terra a ideia de que o esquema de corrupção denunciado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) era uma "farsa".

KARLA MENDES, Agência Estado

02 de abril de 2011 | 14h32

"Diante de um relatório contundente como esse, o PT não vai ter como contestar mais, a título histórico, a existência do mensalão", disse o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), sub-relator da CPI do Mensalão. "O ex-presidente Lula, que mostrou o desejo de desmontar essa história, não vai conseguir desmentir o mais grave escândalo de corrupção que ocorreu no coração do governo dele", acrescentou.

O deputado, líder do DEM, está otimista que, a partir desse relatório, o Supremo Tribunal Federal (STF) não deixará o episódio "passar em branco" e apurará a responsabilidade de cada um dos envolvidos no esquema de lavagem de dinheiro.

"O mensalão aconteceu. Foi mais do que demonstrado. O PT só reconheceu que era caixa 2, mas não levaram uma pessoa sequer na CPI para demonstrar isso", ressaltou o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR). Serraglio, que era relator da CPI, destacou que a tese do PT nunca se sustentou. "Não era período eleitoral. Estava longe disso. E se era caixa 2, era só levar o relatório de pagamentos", disse.

Depois de seis anos de investigação, a PF concluiu que o Fundo Visanet, com participação do Banco do Brasil, foi uma das principais fontes de financiamento do esquema montado pelo publicitário Marcos Valério. Com 332 páginas, o documento da PF, divulgado pela revista "Época", joga por terra a pretensão do ex-presidente Lula de provar que o mensalão nunca existiu e que seria uma farsa montada pela oposição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.