Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

ACM Neto diz que Maia quer transferir seus ‘erros’ ao comando do DEM

Presidente nacional do partido reage à declaração do deputado sobre traição; Caiado fala que ex-presidente da Câmara tem ‘síndrome da ansiedade do poder’

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de fevereiro de 2021 | 16h44

O presidente nacional do DEM, ACM Neto, e o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM-GO), reagiram às declarações do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que acusou a cúpula do partido de traição na eleição que culminou com a vitória do candidato do Planalto, Arthur Lira (Progressistas-AL), à presidência da Câmara.

Em nota, ACM Neto disse que “lamenta muito” as declarações de Maia e afirma que o deputado quer transferir seus erros para o comando do partido. “Infelizmente, o deputado Rodrigo Maia tenta transferir para a presidência do Democratas a responsabilidade pelos erros que ele próprio cometeu durante a condução do processo de eleição da Mesa Diretora da Câmara”, disse o ex-prefeito de Salvador.

Para Caiado, Maia foi “acometido por uma síndrome que atinge com muita frequência as pessoas que não aceitam deixar o poder: ‘Síndrome da ansiedade de poder’”. Segundo o governador, “ganhar ou perder faz parte de todo o processo político”.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Maia criticou o posicionamento de Caiado e de ACM Neto pela mudança de posicionamento do partido, que chegou a integrar bloco de apoio de Baleia Rossi (MDB-SP). “Foi um processo muito feito do Neto e do Caiado. Ficar contra é legítimo, falar uma coisa e fazer outra não. Falta caráter, né?.”

Caiado respondeu que “entrevista não deve ser considerada pela classe política porque é indicadora de internação hospitalar”. Segundo Caiado, Maia tentou “furar a Constituição” com a tentativa de reeleição e não havia trabalhado outro candidato para sua sucessão. Para o governador, com a negativa da Corte, o ex-presidente da Casa ensaiou então “um movimento desesperado, de imposição, sem qualquer unidade e coerência”.

“Depois de ter sido eleito por três vezes presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo achou que era proprietário das decisões de todos os deputados do Democratas e dos demais da Câmara. Ao reagir desta maneira, desrespeitou toda a bancada de um partido que sempre lhe deu apoio nos momentos mais difíceis. Agir da forma como Rodrigo agiu é o que, de fato, demonstra falta de caráter”, rebateu Caiado no texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.