ACM "fecha o corpo" contra cassação

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) obteve na manhã de hoje a proteção dos orixás para não ser cassado. ACM participou de cerimônia na sede da Federação Baiana do Culto Afro, no Pelourinho. A entidade, que congrega 5.800 terreiros de candomblé na Bahia, prestou uma homenagem a ACM com direito a "limpeza" e "fechamento" de corpo, feito por "baianas" tipicamente vestidas, que circularam pombas brancas sobre a cabeça do senador. "Agora estou com o corpo fechado", disse o pefelista, sorrindo.Magalhães aproveitou o 13 de Maio, quando se comemora a Abolição da Escravatura no Brasil, para dizer que também ajudou a libertar e dar dignidade ao negro baiano ao promover a recuperação dos casarões do Pelourinho. Depois de se confraternizar com mães e filhas-de-santo, ele soltou uma pomba branca, voltando a dizer que ninguém calará sua voz, pois não será cassado.Vestido de branco com um colar de contas do afoxé Filhos de Gandhi, ACM contou que seu orixá é Oxalá, que, pelo sincretismo baiano, corresponde a Senhor do Bonfim, o santo mais popular do Estado.Defensor no passado da CPI da Corrupção, ACM mudou de idéia dando a impressão de que fez um acordo com setores do governo para salvar seu mandato. Diante da possibilidade de os partidos oposicionistas tentarem criar uma CPI apenas no âmbito do Senado Magalhães disse que iria avaliar. "Acho engraçado a oposição me pedir assinatura por um lado enquanto pelo outro quer me cassar", comparou.O senador Waldeck Ornélas (PFL-BA), que acompanhou ACM na visita ao Pelourinho, também mudou de idéia em relação ao assunto. Disse que não assinará a CPI e usou os mesmos argumentos que os líderes do governo: a criação da Corregedoria Especial para apurar as denúncias de corrupção e as investigações da Polícia Federal. Ornélas disse que deve pedir vistas ao relatório do relator da Comissão de Ética do Senado, senador Saturnino Braga (PSB-RJ), que investiga o caso da violação do painel da Casa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.