ACM entrega sua defesa; amanhã, será Arruda

Os advogados do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) entregaramnesta quarta-feira ao relator do processo que investiga a violação do painel eletrônico e a quebra de decoro no Conselho de Ética,Saturnino Braga (PSB-RJ), o chamado memorial (documento de defesa).No documento, eles afirmam que o parlamentar nãocometeu ilícito algum pois não houve risco para a decisão tomada pelo Senado que levou à cassação do ex-senador Luiz EstevãoOliveira (PMDB-DF).Os advogados pedem o arquivamento do processo e não falam sequer em penalidades. Em apoioao parlamentar baiano, representantes de 183 associações de moradores e entidades filantrópicas da Bahia visitaram nesta quarta-feiracada um dos (16) membros do Conselho de Ética e pediram que não punam ACM.?Ele está sendo vítima de um preconceitoenorme que há contra os nordestinos?, afirmou Luiz Costa, da ONG SOS Brasil. ?Voltaremos a Brasília quantas vezes foremnecessárias para defender o nosso senador?, acrescentou Maria Catarina de Souza, representante da associação demoradores da região da Via Regional de Salvador.Apesar das informações de que atabaques e tambores são tocados nos terreiros de candomblé da Bahia durante as rezasque pedem que ACM não seja cassado, os representantes baianos passaram pelo Congresso desapercebidos.Eles vestiamroupas comuns e não usavam detalhes da cultura afro-brasileira. Esperaram como quaisquer outros cidadãos para serematendidos pelos senadores, inclusive pelo próprio Antonio Carlos Magalhães.?Ele está sendo vítima de toda uma conjunturaque quer calar a voz do povo da Bahia por meio do senador?, disse Tapuacy Dantas, que representa a Comunidade de SãoCaetano, na sala-de-espera de ACM.Nesta quinta-feira será a vez de Arruda encaminhar seu memorial ao relator e aos demais senadores do conselho. A idéia é anexar aodocumento cópias de reportagens mostrando que há exagero em torno do caso, opiniões de articulistas políticos e juristasfalando sobre a pouca importância da mentira.O documento está sendo elaborado pessoalmente pelo senador e por seus doisadvogados de defesa. Nesta quarta-feira ele conversou com os senadores, reafirmou sua inocência, mas não fez pronunciamentos nemdiscursos no plenário.A tática dele, agora, é falar o menos possível sobre o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.