ACM e Jader foram decisivos para soterrar CPI

Encerrada a sessão do Congresso Nacional, a avaliação feita pelos principais líderes políticos é de que o governo obteve êxito na estratégia montada para impedir a instalação da CPI da Corrupção, com a estimativa da retirada de mais de 20 assinaturas do requerimento. O número, portanto, será conhecido só à meia-noite. O êxito da operação governista deve-se também ao clima de distensão política estabelecido no Senado, com atuação decisiva do presidente daquela casa do Congresso, Jader Barbalho (PMDB-PA), e do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). Ao conciliar os interesses do Palácio do Planalto, ambos contribuem para a retomada de um ambiente mais amistoso na Casa. Além do presidente Fernando Henrique, que teria conseguido bloquear a CPI, o resultado até agora favorece também o senador Jader Barbalho, uma vez que se livra de eventuais investigações sobre suposto envolvimento em irregularidades na Sudam e Banpará, que seriam objeto da CPI. Já a situação de ACM só poderá ser explicitada na próxima quarta-feira, quando o Conselho de Ética se reunirá para votar o relatório sobre a violação do painel eletrônico no Senado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.