ACM é enterrado em cerimônia restrita a parentes e amigos

Após cerimônia, mausoléu da família do senador baiano é aberto à visitação pública

Tiago Décimo, do Estadão,

21 de julho de 2007 | 18h10

Foi enterrado às 17h43 deste sábado o corpo do senador Antonio Carlos Magalhães, no cemitério Campo Santo, em Salvador. Participaram da cerimônia apenas cerca de 250 pessoas, entre familiares e amigos do senador.  Mais de 15 mil pessoas passam pelo velório de ACM na BahiaNinguém se atreve a atribuir fim do 'carlismo' à ausência de ACM Antonio Carlos Magalhães Filho e o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto comandaram os cadetes de transporte do caixão do senador, que foi conduzido em carro do Corpo dos Bombeiros desde o Palácio da Aclamação, onde ACM foi velado.  Após o enterro, o túmulo foi liberado para visitação pública. A Polícia Militar espera que 5 mil pessoas visitem o mausoléu da família até a manhã deste domingo. Homenagem Ainda durante o velório de ACM, o vice-presidente José Alencar participou da missa de corpo presente no Palácio da Aclamação, em Salvador. A missa foi celebrada pelo arcebispo primaz do Brasil, Cardeal Dom Geraldo Agnelo Majella.  Também estiveram presentes os governadores do Rio, Sérgio Cabral, e de Sergipe, Marcelo Deda. O monsenhor Gaspar Sadoc, amigo da família do senador, que auxiliou Majella na cerimônia, em discurso emocionado e muito aplaudido, disse que ACM "não precisa que se erijam monumentos em sua homenagem, pois o maior deles não está nas praças públicas, mas no coração das pessoas". Segundo Sadoc, que comparou ACM a Alexandre Magno , o comprometimento do povo baiano com o senador "é de saudade".

Tudo o que sabemos sobre:
Morte de ACM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.