ACM diz que FHC não tem poder para apressar reforma

O presidente do Congresso, senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA), disse que o presidente Fernando Henrique Cardoso não tem poder para apressar a tramitação da reforma tributária já que depende de um entendimento com a base governista no Congresso. "O poder do presidente é com a base aliada, com quem ele pode conversar de novo", disse ACM.Na avaliação do senador, que tem criticado a iniciativa do governo, Fernando Henrique precisa, primeiro, retomar as negociações com o Congresso para que sua proposta volte a tramitar nas duas Casas legislativas. No início da semana, ACM demonstrou ceticismo quanto ao sucesso da aprovação das mudanças na área tributária ao comentar a declaração do presidente, feita no último sábado, garantindo que retomará a reforma nos seus dois últimos anos de mandato."Se ele (presidente) ficar falando em agilizar a tramitação pode ficar parecendo que tinha poderes para apressar a reforma e não apressou", declarou o presidente do Senado. "As declarações ficam até injustas para ele", completou. Fernando Henrique diz que a reforma não avançou no ano passado porque não havia clima para votar assuntos polêmicos em plena preparação dos partidos para as eleições municipais.Neste ano, na avaliação de ACM, o governo terá outro obstáculo: convencer os parlamentares sobre a necessidade das alterações na área tributária, porque a equipe econômica já garantiu o aumento da arrecadação adotando somente medidas legais e administrativas para mudar o sistema de recolhimento de impostos. Para ele, o governo, desta forma, já conseguiu alterar parte da estrutura tributária sem aprovar a reforma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.