ACM diz que Bornhausen é ditador

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) chamou hoje o presidente do PFL, Jorge Bornhausen (SC), de ditador e disse que aguardará o resultado das eleições municipais de outubro para decidir que atitude tomar em relação ao pedido de expulsão dele do PFL, de iniciativa do deputado Onix Lorenzoni (PFL-RS). "Vamos ver o resultado das eleições para saber quem são os ganhadores e os perdedores", disse. ACM afirmou que não conhece bem o deputado Onix, mas sabe que ele é candidato à prefeitura de Porto Alegre e "está mal nas pesquisas". "Ele me trouxe, um dia, uma lingüiça especial de presente da sua terra. Esse é o pouco conhecimento que tenho dele", afirmou.ACM disse que não está levando isso a sério, mas fez críticas à direção do partido. "O partido não ouve aqueles que têm votos", disse, referindo-se ao prefeito do Rio de Janeiro, Cesar Maia, líder nas pesquisas eleitorais e com chances de ser reeleito no primeiro turno. "Não pode ser tratado de maneira ditatorial, hitleriana, por alguns da direção", disse. "O PFL não tem donos". Embora considere Bornhausen "um bom presidente do PFL", ele criticou o temperamento dele. "O temperamento dele, de querer ser ditador, não constrói", disse.ACM negou que ontem, durante o jantar de senadores do PFL com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, eles tenham tratado de assuntos partidários. Disse que não convidou nenhum senador para o encontro, mesmo porque todos os convites foram feitos pela Casa Civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.