ACM discursa pedindo providências contra corrupção

O ex-presidente do Senado senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) iniciou seu discurso no plenário do Senado, em sessão presidida pelo vice-presidente da Casa, senador Edison Lobão (PFL-MA), dizendo que sua ida à tribuna tem o objetivo de cobrar providências do Poder Executivo, do Ministério Público e do presidente da Casa (senador Jader Barbalho-PMDB-PA) contra as denúncias de corrupção feitas por ele. ACM disse que não irá tratar do chamado dossiê Cayman (papéis que denunciariam a existência de contas de líderes tucanos em paraísos fiscais) como, segundo ele, "anunciaram alguns apressados, mal intencionados". O senador disse que quando surgiram notícias sobre esse dossiê ele procurou o presidente Fernando Henrique Cardoso e declarou "que não emprestava qualquer veracidade às denúncias". O senador afirmou ainda que não tem o propósito de prejudicar o governo, e sim de colaborar com ele. Os que dizem o contrário, segundo o senador, são levados a isso por "interesses escusos". O senador disse que concorda com os que integram a aliança que elegeu FHC e que dizem que este é o momento de retomar esforços para concluir as reformas. Ele reafirmou que ajudou a aprovação das reformas já concluídas. Mas frisou que "graves denúncias foram feitas, envolvendo membros desta Casa". Denunciou ainda que a imprensa apontou "favorecimento e atenções especiais de determinados ministérios".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.