ACM cai em contradição sobre lista

A exemplo do senador José Roberto Arruda (sem partido-DF), o ex-presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), também começa a se contradizer quanto à lista com os votos da sessão que cassou o ex-senador Luiz Estevão. Nos últimos dias, ACM vem dizendo que teve a lista em seu poder e que a destruiu. Mas, ao falar ao plenário na quarta-feira da semana passada, o senador havia afirmado que "nunca viu" a peça.Esse fato derrubará parte da tese a ser apresentada amanhã pelo senador baiano ao conselho de ética. É que ACM pretende dizer que de nunca faltou com a verdade, nem pediu à ex-diretora do Prodasen, Regina Borges, que violasse o painel de votações, além de reconhecer que viu a lista, leu-a atentamente e, depois decidiu rasgá-la e jogá-la fora.Com base nestes argumentos, aliados de Antonio Carlos afirmavam hoje que as punições para Arruda e ACM, necessariamente, têm de ser distintas. Destacavam que o senador pelo DF mentiu perante o plenário, depois de ter mentido também para a sua bancada. O senador Paulo Souto (PFL-BA), amigo de Antonio Carlos Magalhães e integrante do conselho de ética, foi enfático: "Ele (ACM) não tem responsabilidade no episódio, e vai provar isso". Os amigos de ACM, no máximo, admitiam que ele tivesse o seu mandato temporariamente suspenso, embora estivessem convencidos que ele só poderia ser censurado. No caso de Arruda, todos eram taxativos: ele tem de ser cassado. Mas o senador Nabor Júnior (PMDB-AC), outro integrante do conselho de ética, tinha a fala do senador Antonio Carlos na semana passada bem viva em sua memória. "Ele disse aqui, no plenário, na semana passada, que não viu a lista e, portanto, também mentiu", salientou.Durante o primeiro discurso de Arruda, quando o então tucano tentou desmentir todo o depoimento de Regina Borges, o senador Antonio Carlos pediu um aparte. "Quero parabenizar V.Exª por trazer sua verdade nesse episódio e dizer que continuo a desafiar qualquer pessoa a provar que eu tenha tratado com a Drª Regina, ou com qualquer funcionário, ou com qualquer senador, sobre este assunto ou que tenha interesse em saber de lista que nunca vi", afirmou ACM ao encerrar sua participação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.