ACM bate boca com Renan Calheiros

No novo bate-boca protagonizado pelo senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), o papel de adversário, que anteriormente era do senador Jáder Barbalho (PMDB-PA), passou a ser desempenhado pelo novo líder do PMDB na casa, senador Renan Calheiros (AL). Diante da insistência de Magalhães de interromper seu discurso, o senador alagoano relembrou um dos momentos mais acirrados do principal embate ocorrido entre Jáder e ACM, no ano passado. "Não me permita repetir o senador Jáder e pedir que V. Excelência fique caladinho aí", reagiu Calheiros.Ele cobrou de ACM a quebra de seu sigilo telefônico para ajudar nas investigações sobre uma suposta intervenção de Magalhães para que o Banco do Brasil desse um empréstimo à prefeitura de São Paulo, então governada por Celso Pitta. Segundo Calheiros, há a suspeita de que Magalhães teria ajudado na obtenção do empréstimo, para que Pitta pagasse dívidas de R$ 17 milhões para a Construtora OAS. ACM ofereceu seu sigilo telefônico e pediu que seja instalada uma CPI para apurar todas as denúncias, como defende a oposição. Mas ele disse que Calheiros tem envolvimento maior com empreiteiras. "Vossa Excelência conhece Zuleide, não conhece?", disse enigmaticamente Magalhães, completando: "Vossa Excelência fique certo de que não está imune, e sabe disso". Ele criticou Calheiros por assumir um papel que deveria ser do líder do governo, defendendo um governo que não o quis como ministro. ACM rebateu, ainda, a crítica de Calheiros segundo a qual ele não apresentava provas de suas denúncias. Magalhães disse que há provas que estão muito claras, e citou o caso do Banpará. Calheiros voltou a criticar ACM, afirmando que ele sempre insiste na tática de lançar "cortinas de fumaça sobre as questões que precisam ser esclarecidas" e que ele precisa parar de enlamear a honra das pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.