ACM aproveita a deixa e liga a metralhadora giratória

O ex-senador pela Bahia Antonio Carlos Magalhães considerou "uma vitória da Justiça" a prisão do ex-presidente do Senado Jader Barbalho, seu inimigo político e pessoal. Ele recebeu cumprimentos de correligionários e simpatizantes hoje, quando fazia seu passeio matinal pelo Dique do Tororó, em Salvador. "Ninguém fica feliz com a prisão de um presidente do Senado, mas diante da série de denúncias que venho fazendo desde abril de 2000, não havia como ser diferente", afirmou. O ex-senador, que renunciou para evitar a cassacão por ter participado da violação do painel do Senado, aproveitou a deixa para atacar alguns nomes de seu extenso leque de inimigos políticos: "só acho estranho que o governo tenha feito ouvidos de mercador às minhas denúncias, hoje comprovadas na Justiça." FHC?Hoje, ele está vendo que o que eu falava era verdade e ainda há muita denúncia para ser apurada", disse ACM referindo-se a Fernando Henrique e ao governo federal. O ex-senador criticou a simples extinção de órgãos em que se verificam casos de corrupção sem a prisão dos responsáveis, citando os casos da Sudam e Sudene.Respondendo a críticas de FHC sobre seu envolvimento na violação do painel do Senado, ACM afirmou que o outro acusado no episódio, José Roberto Arruda, hoje é visto ao lado do Presidente em solenidades. ACM, que sentiu a imprensa voltar-lhe a atenção depois de vários meses de ostracismo, passou a atacar Fernando Henrique de forma indiscriminada. Entre outras declarações, ACM disparou: "o problema é que toda coisa errada, ele leva muito tempo para resolver?, ?ele devia confessar que deu muita confiança a alguns ladrões?, e ?com esta prova de humildade, talvez ele diminuísse tanto desgaste junto à opinião pública."Segundo o ex-senador baiano, todas as denúncias agora comprovadas contra Jader Barbalho foram descritas em um livro seu, em fevereiro do ano passado. "FHC já sabia de todas essas coisas quando Barbalho foi eleito presidente do Senado", disse. "Mais de uma vez eu conversei com o presidente da República sobre pessoas ligadas ao seu governo que lesavam o Erário, e continuavam no governo. A prova disso é que quem nomeava o superintendente da Sudam era Jader, e ele já está preso."SerraACM também afirmou que a prisão de Jader vai causar prejuízos à pré-candidatura do ministro da Saúde, José Serra (PSDB) à Presidência da República. "Uma composição do PSDB com o PMDB de Jader Barbalho e de Eliseu Padilha (ex-ministro dos Transportes) vai prejudicar ainda mais a campanha de Serra", disse, referindo-se a denúncias de corrupção que fez contra integrantes do PMDB. O ministro, ao ser questionado pela imprensa em Vinhedo (interior de São Paulo) sobre a repercussão da prisão de Jader em sua campanha, respondeu apenas "por que ?".SurpresaMagalhães admitiu que não acreditava na prisão de Jader Barbalho e se revelou surpreso com a atuação da Justiça Federal. Lembrou, no entanto, que ainda há outros processos para os quais acredita ter colaborado decisivamente com o fornecimento de provas contra Barbalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.