Aceitar ministério tiraria Ciro das eleições de 2014, diz Cid Gomes

Segundo o governador eleito do CE, irmão pode aceitar convite de Dilma em ligação que faria nesta segunda em homenagem ao aniversário da presidente eleita

Carmen Pompeu, da Agência Estado,

14 Dezembro 2010 | 17h29

SÃO JOSÉ PIRANHAS, Paraíba - O governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), disse nesta terça-feira, 14, na Paraíba, que caso o irmão dele, o deputado federal Ciro Gomes (PSB), venha a compor a equipe da presidente Dilma Rousseff, isso será um indicativo de que ele não disputará eleições presidenciais de 2014. "E não estou nem dizendo que ele foi convidado, implicitamente está tácito aí que ele não será candidato nas próximas eleições. Pelo que conheço dele, falando em tese, se ele compuser o ministério, essa é uma indicação de que não pleiteará na eleição seguinte o cargo de quem o colocou no ministério", afirmou Cid Gomes, durante visita às obras da Transposição do Rio São Francisco, acompanhando o presidente Lula, em São José Piranhas.

 

Segundo Cid Gomes, Ciro, que ainda estaria na Europa, iria telefonar ainda nesta terça para Dilma desejando-lhe feliz aniversário. Ele não quis revelar se na conversa o irmão aceitaria ou não o convite para ser ministro.

 

'Ajuntamento de ladrões'

 

Perguntado se daria para Ciro conviver com o vice-presidente, Michel Temer, após declarar que o PMDB seria um "ajuntamento de ladrões", do qual Temer seria o chefe, Cid disse que Ciro teria ido além da conta.

 

"Imagino que, pelo que conheço dele que um dia, se ele já não viu - porque nunca conversei com ele sobre isso. Sou irmão dele. Ele é minha referência. Mas às vezes digo para ele: isso aqui você foi além da conta".

 

Inexperiência

 

Sobre as críticas com relação à inexperiência da então candidata Dilma feitas por Ciro durante a campanha, Cid disse que Ciro se referia "à inexperiência em disputar eleições".

 

Ministérios

 

De concreto, o governador do Ceará informou que a presidente ofereceu ao PSB dois ministérios: o da Integração Nacional e o de Portos e Aeroportos. "Tive com a Dilma sexta-feira. Tivemos uma conversa onde ficou acertada a participação do PSB mas não foi conclusiva em relação a nomes. Mas a Dilma tem um prazo que é até amanhã para definir todo seu ministério. O PSB terá a participação nesses dois ministérios: Integração Nacional e Portos e Aeroportos", declarou.

 

De acordo com ele, o PSB, nessa questão toda, tem se colocado "sempre como um aliado e alguém que está disposto a apoiar independente de participação no governo". "Acreditamos no projeto. Somos parte do projeto e em nome disso que apoiamos na eleição e vamos apoiar o governo. Quem define participação no governo é a presidente Dilma. E ela já oficializou isso", acrescentou.

 

O governador cearense disse que o PSB acha que são dois ministérios importantes. "Um ministério tem foco naquilo que é a nossa grande preocupação, que são as desigualdades regionais. E o Ministério da Integração atua no Brasil inteiro. Então é um ministério de grande importância, que toca obras fundamentais para o país", comentou.

Mais conteúdo sobre:
governo ministério Dilma Ciro Gomes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.