Acarajé baiano terá selo de qualidade

As baianas de acarajé terão um selo de qualidade, a partir de abril, para garantir a boa manipulação dos produtos vendidos no tabuleiro. A iniciativa é da Associação das Baianas de Acarajé da Bahia (ABA) como uma reação ao resultado dos exames feitos pela Faculdade de Farmácia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) que constataram contaminação por coliformes fecais e a bactéria da salmonela em acarajés vendidos nas praias de Salvador.O resultado dos exames, divulgados no programa ?Fantástico? da Globo, no domingo de carnaval, fez desabar a venda do acarajé em Salvador em 30%, conforme a ABA. "Foi uma grande propaganda negativa", reclamou a presidente da associação, Clarice dos Anjos, que teve a idéia da criação do selo de qualidade. "Estamos firmando um convênio com a Vigilância Sanitária, o Instituto de Hospitalidade e Sesc/Senai para que nossas associadas possam freqüentar curso de qualidade alimentar", explicou. Serão duas semanas de aulas que garantirão o selo de qualidade, renovável a cada ano. "Há males que vêm para o bem. Queremos aproveitar esse episódio para valorizar ainda mais nosso produto, que é um símbolo da Bahia", disse Clarice.Existem cerca de quatro mil ?baianas do acarajé? na Bahia, algumas manipulando alimentos de forma inadequada, abrindo as portas para a contaminação. "Nós pensamos também em obter, junto a instituições bancárias, a abertura de uma linha de crédito para que as baianas possam melhorar as condições sanitárias de suas casas, onde se prepara a matéria-prima do acarajé", contou Clarice. "É preciso que nessas casas haja azulejos nas paredes e pias adequadas na cozinha", explicou.Enquanto as baianas não recebem o selo de qualidade, a presidente da ABA recomendou aos apreciadores do quitute que evitem pedir os tradicionais acompanhamentos (salada e camarão), pois foi nesses itens em que se constatou a contaminação. "É preciso esclarecer também que não se pode generalizar, afirmando que todo acarajé vendido na Bahia está contaminado. Há profissionais de respeito, conhecidas há muito tempo pela qualidade dos seus produtos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.