Ação policial fere dois bebês no RJ

Dois bebês ficaram feridos numa operação policial frustrada na Favela Mandacaru, na Penha, zona norte do Rio. Uanderson Teixeira dos Santos, de 7 meses, levou um tiro de raspão no olho, e Flávia Barreto de Oliveira, de 2 meses, se feriu na cabeça por telhas que foram quebradas pelos tiros disparados por policiais. Revoltados, os moradores fecharam três ruas que dão acesso à favela para impedir a volta dos Pms. O 16º Batalhão da PM (Olaria), onde os policiais estão lotados, informou que a operação tinha como objetivo prender traficantes que se escondem na favela. "Como a Favela da Maré (próxima à Mandacaru) está ocupada pela polícia, os bandidos estão levando as armas para as áreas vizinhas", disse o subcomandante do batalhão, coronel Luiz Alberto Gomes. Segundo ele, foi apreendida uma arma no interior da favela, mas ninguém foi preso."Aqui não mora bandido. A maioria é mulher e criança", afirmou a mãe de Uanderson, Ana Paula Teixeira, de 18 anos. Ela contou que o menino estava no berço, por volta das 7 horas, quando foi atingido. "Uanderson estava chorando e, quando minha irmã o tirou no berço, ele levou o tiro." O garoto está internado no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, e passa bem. Luciene Barreto Gomes, de 21 anos, mãe de Flávia, disse que os policiais prometeram voltar à favela nesta noite para "completar o serviço". "Essa barbaridade não pode continuar. Eles não têm respeito por ninguém. Chutaram minha porta, entraram na minha casa e atiraram para o alto. As telhas machucaram a cabecinha do meu bebê", desabafou."Os moradores estão sendo influenciados por traficantes", retrucou o subcomandante Luiz Alberto Gomes. A líder comunitária Dalva Martins, de 51 anos, que comandou o protesto, disse que os moradores estão em pânico. "Essa é uma comunidade pequena e pacífica, onde moram cerca de 600 famílias de trabalhadores. A polícia não pode nos tratar como bandidos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.