Polícia Militar/Divulgação
Polícia Militar/Divulgação

Ação do MST no maior laranjal de SP é criticada por Stephanes

Ministro reagiu a derrubada de cinco mil pés de laranja em fazenda da Cutrale, maior produtora de suco do país

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

06 de outubro de 2009 | 13h44

A derrubada de milhares de pés de laranja da fazenda da Cutrale (indústria do setor de sucos), no interior de São Paulo, por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na segunda-feira, 5, gerou reações do ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, e do secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, João Sampaio, que repudiaram nesta terça-feira a ação.    

Segundo  integrantes do MST, houve necessidade de derrubada das árvores para que houvesse espaço para o plantio de feijão. Mais de 5 mil árvores de laranja foram derrubadas pelos manifestantes.

 

"É lamentável que isso ocorra", afirmou Stephanes, após participar de reunião do Conselho Nacional de Secretários de Agricultura (Conseagri), na sede do Ministério, em Brasília.        

 

Ao sair do evento, Sampaio classificou a ação como "criminosa" e "absurda". "Não podemos fechar os olhos e deixar que isso vire rotina", defendeu. "A lei existe e precisa ser respeitada", continuou. Para o secretário, as pessoas que derrubaram as árvores deveriam responder pelos seus atos como uma ação criminosa. "Não digo que temos de criminalizar o MST, mas temos de criminalizar essa ação", argumentou.

 

Nesta terça-feira, deputados e uma senadora do Democratas relançaram uma tentativa de coleta de assinaturas para a instalação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito para analisar a Reforma Agrária.

 

Veja também:

linkSem-terra são presos acusados de saque em fazenda da Cutrale

link Deputado recolhe assinaturas para criar CPI do Campo

linkMST ocupa fazenda de foragido da Justiça

Tudo o que sabemos sobre:
terraMSTlaranjalReinhold Stephanes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.