DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Ação de Temer esvazia PEC que propõe a redução de ministérios

Votação de proposta na CCJ foi adiada para esta quarta-feira, ao contrário do que havia feito antes da nomeação do vice-presidente como articulador político, PMDB ignorou comissão

Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

14 Abril 2015 | 22h43

Brasília - A escolha do vice-presidente Michel Temer (PMDB) como operador político do governo esvaziou o apoio à Proposta de Emenda à Constituição que prevê reduzir de 39 para 20 o número de ministérios. O tema devia ter sido votado nesta terça-feira, 14, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, mas a pauta acabou sendo adiada para quarta. Ao contrário do que havia feito antes da nomeação de Temer, o PMDB ignorou a comissão. 

A pauta constrange o Planalto, que mobilizou a base para derrubar a proposta. Apesar de o autor da PEC ter sido o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), integrantes da CCJ e operadores do governo na Casa avaliam que a proposta deve ser derrotada ou sair da pauta. Se isso não ocorrer, a derrota governista será debitada na conta de Temer, o que enfraqueceria sua interlocução. 

‘Subindo no telhado’. A proposta deveria ter sido votada na semana passada, mas foi adiada. Esse foi o primeiro sinal de que a PEC estava, nas palavras de parlamentar petista, “subindo no telhado”. “A bancada do PT é radicalmente contra”, disse o deputado Sibá Machado (AC), líder do governo na Câmara. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.