Ação de sem-terra deixa 8 feridos

Cinco pessoas eram mantidas como reféns após confronto entre integrantes do MST e seguranças no Pará

Carlos Mendes, O Estadao de S.Paulo

19 de abril de 2009 | 00h00

Um confronto entre um grupo de sem-terra e seguranças deixou oito feridos na fazenda Castanhais, pertencente à Agropecuária Santa Bárbara, em Eldorado dos Carajás, no sul do Pará. Outras cinco pessoas eram mantidas como reféns na propriedade até a noite de ontem.Um segurança da empresa Marca, que presta serviço à Santa Bárbara, levou um tiro no olho e corre risco de morte. Ele foi internado em estado grave em um hospital de Marabá, onde passou por cirurgia. O sem-terra conhecido por Índio também foi gravemente ferido por um tiro, mas não corre risco de morte. Os outros seis feridos foram atendidos em hospitais de Parauapebas. Após o confronto, os agricultores ligados ao Movimento dos Sem Terra (MST) decidiram manter quatro jornalistas e uma advogada reféns, juntamente com outros 300 funcionários da empresa, que faz parte do grupo do banqueiro Daniel Dantas. O clima na propriedade foi definido pelos dois lados como extremamente tenso. Apesar disso, a polícia não havia aparecido no local do confronto. A Delegacia de Conflitos Agrários de Marabá deve mandar hoje pela manhã uma equipe à fazenda. "Estamos sitiados. O clima aqui está horrível", disse ao Estado o gerente da fazenda, Oscar Boller. Ele contou que dois seguranças da Marca levantaram as mãos e pediram para negociar com os sem-terra, mas a resposta foi bala da parte deles. A partir daí, segundo Boller, houve a reação dos seguranças. O MST acusa os seguranças de terem iniciado o tiroteio e prometem não sair da fazenda. Os jornalistas impedidos de deixar o local são os repórteres Vitor Aor, da TV Liberal, Edinaldo Souza, do jornal Opinião, João Freitas e Felipe Almeida, da Rede TV. A advogada Brenda Santis, da Santa Bárbara, também está entre os reféns. Foi ela quem levou os jornalistas à fazenda, para mostrar a invasão. Os repórteres teriam sido usados como escudos pelo MST, segundo Boller. A Santa Bárbara tem treze fazendas invadidas e ocupadas desde janeiro por agricultores ligados ao MST, à Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf) e à Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Pará (Fetagri).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.