Ação da PF será investigada

O Ministério Público Federal abriu investigação sobre supostas irregularidades, entre 2003 e 2005, em procedimentos da Polícia Federal no registro e armazenamento de drogas e armas apreendidas na Superintendência da PF em São Paulo. O Ministério Público pediu apoio da Controladoria-Geral da União. A medida foi tomada pelo procurador da República Roberto Diana, coordenador do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial. Ele investiga denúncia do delegado Protógenes Queiroz, mentor da Satiagraha, que acusou superiores de boicotarem a operação contra o banqueiro Daniel Dantas. O procurador já reclamou à CPI dos Grampos que a PF não o informa sobre os custos. Diana verificou extravio e furto de cocaína nas dependências da PF. Os casos já são alvo de apuração na própria corporação, que não se manifestou sobre a iniciativa do procurador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.