Ação contra Soninha se arrasta na Câmara de Vereadores de SP

Representação contra a candidata, protocolada por Carlos Apolinário (DEM), espera indicação de relator

Roberto Almeida, de O Estado de S. Paulo,

16 de setembro de 2008 | 23h47

A representação do vereador Carlos Apolinário (DEM) contra a candidata do PPS à Prefeitura de São Paulo, Soninha Francine, se arrasta há uma semana na Câmara Municipal. O corregedor Wadih Mutran (PP) promete nomear um relator até o fim da semana, mas na prática não há prazo limite, e o processo deve se estender até o período pós-eleitoral. "Eles sabem que, se uma vereadora for cassada, isso tem um efeito devastador sobre a Casa", disse a candidata. "Por isso a corregedoria dificilmente conclui pela punição." Em sabatina no Grupo Estado, no último dia 5, Soninha disse que, "no limite", vereadores recebem propina para aprovar projetos.  Veja também: 'Ela veio para cima de mim', diz Soninha sobre vereadora do PT Assista ao vídeo da Confusão na CâmaraVeja galeria de fotos do tumulto Perfil da SoninhaBLOG: Principais declarações Enquanto não há definições na corregedoria, Soninha monta sua defesa. Coordenadores de sua campanha estão compilando discursos na Casa que tenham indícios de venda de voto. Segundo ela, há muitas coisas que foram ditas publicamente e que mostram com clareza como a aprovação de projetos está vinculada a acordos.

Tudo o que sabemos sobre:
SoninhaSão PauloVereadoreseleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.