Ação contra Farc azedou clima entre Colômbia e Equador

No dia 1.º de março, um ataque aéreo do Exército colombiano a um acampamento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Equador matou Raúl Reyes, o número 2 da guerrilha, azedando a relação entre os dois países. A ação ocorreu a 1.800 metros da fronteira.Dias depois, Quito rompeu relações com Bogotá. O presidente Hugo Chávez enviou dez batalhões militares para a fronteira com a Colômbia. Terminou sendo acusado, com base em dados do computador pessoal de Reyes, de ajudar a financiar a guerrilha.Em 5 de março, ofensiva diplomática de outros países convenceu Equador e Colômbia a fecharem acordo, sob o manto da Organização dos Estados Americanos (OEA). Até hoje, porém, o presidente equatoriano, Rafael Correa, cobra punição da Colômbia. Já o presidente Álvaro Uribe alega combate ao terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.