Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Acampamento indígena em Brasília terá segurança reforçada para evitar confrontos no 7 de Setembro

Polícia Militar do Distrito Federal prepara esquema de segurança especial para coibir violência nas manifestações convocadas por Bolsonaro

Weslley Galzo, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2021 | 16h57

BRASÍLIA - A agitação que envolve a organização da manifestação bolsonarista para o feriado da independência, nesta terça-feira, 7, em Brasília, levou a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) a organizar um esquema de segurança extraordinário. Diante da possibilidade de confrontos, a corporação planeja reforçar a segurança do “Acampamento Luta Pela Vida”, que concentra milhares de indígenas próximos à Esplanada dos Ministérios, para evitar que manifestantes acessem a área.

Acampados há 15 dias, povos indígenas do País inteiro aguardam o julgamento da tese de “marco temporal” das demarcações pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Antes de testemunharem o resultado da votação e retornarem às suas casas, os indígenas estarão no centro das manifestações do 7 de setembro. O acampamento está localizado no setor cultural do plano piloto a poucos quilômetros de distância da Esplanada dos Ministérios, onde os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro devem se organizar.

Bolsonaro é a favor da fixação da tese de marco temporal, que prevê a data da promulgação da Constituição de 1988 como data limite para que indígenas reivindiquem posse sobre as terras tradicionalmente ocupadas. A tese é rechaçada por povos originários. A possibilidade de o encontro entre manifestantes e indígenas descambar para confrontos não é descartada, por isso as medidas são articuladas.

Segundo a PMDF, todo o efetivo disponível estará empenhado na Esplanada dos Ministérios e nas imediações. O acampamento Luta Pela Vida é patrulhado desde o início pelas forças policiais e terá reforço de segurança. Os indígenas estão localizados próximos à Torre de TV de Brasília, local escolhido pela oposição para realizar um ato neste 7 de setembro.

Além do contingente reforçado, os policiais farão uso de detectores de metal em linhas de revista pessoal para evitar que manifestantes armados tenham acesso ao à Esplanada. No dia 23 de agosto, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), alertou 24 governadores sobre a possibilidade de policiais militares irem com armas às ruas para atentar contra a democracia. Tropas especiais da PMDF estão escaladas para proteger a área e, caso seja necessário, devem reprimir ataques.

No rol das medidas de segurança, barreiras físicas serão instaladas para coibir tumulto, assim como será proibido acessar a área da manifestação com hastes de bandeiras, garrafas de vidro, bebidas alcoólicas e objetos pontiagudos.

A Secretaria de Segurança Pública do DF restringiu no domingo, 5, a circulação nas principais vias da cidade para reforçar a estratégia de segurança. As vias N1 e S1 - principal acesso à Praça dos Três Poderes - será paralisado a partir das 00h de terça. De acordo com a PMDF, haverá 12 pontos de contenção espalhados pela Esplanada, além de outros efetivos posicionados em vias de acesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.