Acaba greve da polícia civil de PE

Os policiais civis de Pernambuco decidiram encerrar a greve da categoria, após 73 dias de paralisação. Eles aceitaram a proposta do Governo do Estado de 13% de aumento - 10% em setembro e 3% em dezembro - e a promessa de revisão salarial em março do próximo ano, além de devolução dos dias parados que haviam sido descontados no prazo de 72 horas.O governo também não vai cobrar do sindicato a multa diária de R$ 20 mil, determinada pela justiça, e desbloqueou a conta da entidade - que estava sem receber a contribuição sindical como forma de pagamento de parte desta multa. Os policiais reivindicavam 28% de aumento - o mesmo índice concedido este ano aos bombeiros e policiais militares - e reajuste do salário-base para R$ 180,00.De acordo com o Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sinpol), durante o período de greve deixaram de ser realizados 2.560 exames traumatológicos e 415 sexológicos no Instituto de Medicina Legal (IML); cerca de 125 mil carteiras de identidade (primeira e segunda vias) deixaram de ser confeccionadas; 730 perícias de ocorrência não foram feitas pelo Instituto de Criminalística (IC); cerca de 78 mil queixas comuns deixaram de ser registradas nas delegacias e 1.250 inquéritos não foram encaminhados à justiça. Nos 73 dias, 583 homicídios foram registrados em Pernambuco, segundo o Sinpol.O Estado tem cerca de 5 mil policiais. Na avaliação do sindicato, 80% dos profissionais aderiram à greve no interior e 100% na região metropolitana. Durante a paralisação foram mantidas quatro delegacias em funcionamento e o IML recebeu e liberou cadáveres, deixando de emitir laudos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.