Abrinq: Covas esteve sempre disposto a conversar

O presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos (Abrinq), Synésio Batista da Costa, disse que o relacionamento que a indústria tinha com o governador era muito próximo. ?Covas foi um dos governantes mais fáceis de se lidar dos últimos 10 anos. Quando prometia alguma coisa, cumpria, inclusive sobre assuntos como guerra fiscal. O governador sempre estava disposto a conversar. Era só estar com o projeto pronto e ele estava apto a discuti-lo. Era um político que não se deixava abater. Tenho medo de sentir saudades desse modo de governar de Covas. São Paulo perde com a morte de Covas."Segundo o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo (Sinicesp), Aluizio Guimarães Cupertino, "mais importante do que a atuação de Mário Covas como governador de São Paulo é a marca dele como político sério. O Estado e o País perderam um grande nome. Não tenho dúvida de que a história vai confirmar isso", disse.Já o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Romeu Chap Chap, reconhece que Mário Covas conduziu com muita propriedade e seriedade o governo de São Paulo. ?Ele levou seis anos só para ´arrumar a casa´. Por isso, muita coisa deixou de ser feita, mas era preciso sanar as finanças. Covas tem todo o meu respeito e também o da população, que reconheceu isso ao reelegê-lo. Ele resgatou a auto-estima do paulista. Tenho profunda admiração, já antiga, pela sua forma corajosa de fazer política?, concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.