ABI discute reedição do Movimento pela Ética

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) decide hoje se irá participar da reedição do Movimento pela Ética na Política, lançado hoje no Planetário da Gávea, zona sul do Rio. Em 1992, ele foi símbolo da luta da sociedade que resultou no impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. Hoje, reunindo artistas e intelectuais, organizadores desta nova reedição do Movimento defendem a abertura da CPI da Corrupção; a entrega imediata à Comissão de Ética do Senado do relatório do senador Saturnino Braga (PSB-RJ) sobre a violação do painel daquela Casa e a cassação dos senadores envolvidos no escândalo."A tradição da ABI mostra que a Casa sempre se engajou na luta pelos interesses da nação. Nós sentimos que o povo está doido por moralização. Não é nada pessoal contra o senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e os demais senadores, mas a coisa foi muito forte", disse o presidente da ABI, Fernando Segismundo.O jornalista lembrou que no último dia 26, em assembléia geral, a entidade já havia tirado moção em defesa da CPI da Corrupção e pela cassação dos senadores ACM, José Roberto Arruda (sem partido-DF) e do presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA), por seu suposto envolvimento nas fraudes da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). "Na reunião da diretoria da Casa, nós apenas vamos ratificar a decisão já tomada pela assembléia geral", explicou Segismundo.Desde a decisão da assembléia geral da ABI, que se reúne uma vez por ano, foi montada uma banca em frente ao prédio da entidade, para recolher assinaturas à favor da CPI e da cassação dos parlamentares. O documento será encaminhado ao Congresso Nacional.Segismundo disse desconhecer a decisão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), tomada na semana passada, de realizar vigílias cívicas em todo o País contra a corrupção no próximo dia 13 de maio. A iniciativa é o primeiro passo para aumentar a mobilização social contra o problema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.