Beto Barata/AE
Beto Barata/AE

Abertura e fechamento de estatal foi decisão de Orlando, diz Aldo

Ministro do Esporte creditou episódio a antecessor e afirmou que pagamento de R$ 4,65 milhões por consultoria à empresa, que não chegou a existir, foi legítimo porque houve prestação de serviço

Wladimir D'Andrade, de Agência Estado

30 de janeiro de 2012 | 13h10

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou nesta segunda-feira, 30, que tanto a decisão de criar a Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016 quanto a decisão de extingui-la foram tomadas na gestão do ex-ministro Orlando Silva, que pediu exoneração do cargo após denúncias de participação em suposto esquema de desvio de dinheiro público. "Quando eu cheguei no Ministério do Esporte, a decisão já estava tomada", afirmou, ao comentar reportagem publicada na edição desta segunda do jornal O Estado de S.Paulo, mostrando que o Ministério do Esporte pagou R$ 4,65 milhões, no ano passado, sem licitação, para a Fundação Instituto de Administração (FIA) ajudar no nascimento da estatal que foi extinta antes de funcionar.

Apesar da justificativa, Rebelo salientou que a Fundação Instituto de Administração (FIA) prestou consultoria para a criação e organização da Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016, o que justificaria o repasse de recursos para a entidade. A Empresa Brasileira de Legado Esportivo Brasil 2016, criada em agosto de 2010, foi incluída há cinco meses no Plano Nacional de Desestatização (PND). "O governo federal decidiu constituir a empresa para as Olimpíadas de 2016 e, depois, o governo federal decidiu extinguir a empresa", lembrou. "Só que a consultoria trabalhou para organizar e construir essa empresa", disse.

Ao falar que a decisão de criação e extinção da empresa foram tomadas na gestão de seu antecessor, o ministro informou que ele mesmo assinou o documento que encaminhou a empresa ao Plano Nacional de Desestatização (PND). A decisão de extinguir a Brasil 2016 foi tomada, segundo a reportagem do Estado, após tratativas com o Ministério do Planejamento, sob a justificativa de que já havia estrutura suficiente para cuidar das Olimpíadas de 2016.

O ministro vistoriou na manhã desta segunda as obras do Estádio do Itaquerão, na capital paulista, anunciado como a sede da abertura da Copa do Mundo de 2014. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), também acompanhou a vistoria das obras.

Mais conteúdo sobre:
esportesdenúnciaAldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.