Abel diz que não conhecia empresas de repasse dos Vedoin

O empresário Abel Pereira, em depoimento à CPI dos Sanguessugas, nesta quinta-feira, negou as acusações feitas pela família Vedoin de que ele intermediava a liberação de emendas para a Saúde com o ex-ministro Barjas Negri, que ocupou a pasta em 2002. Abel disse que esteve no ministério apenas uma vez, acompanhando o então prefeito de Jaciara (MT), que precisava liberar verbas para a construção de um hospital no município. "Como eu tenho uma fazenda em Jaciara, tentei agendar a reunião para ajudar o prefeito", disse.Abel Pereira disse que teve facilidade para conseguir a audiência com Negri por ser um empresário estabelecido há 35 anos em Piracicaba (SP), cidade do ex-ministro. Após a audiência, o ministério liberou o convênio com o prefeito.O empresário disse desconhecer as empresas para as quais Luiz Antonio e Darci Vedoin, donos também da Planam, empresa articuladora da máfia das ambulâncias, teriam repassado dinheiro em nome dele (Kanguru Factoring Sociedade de Fomento Comercial, Datamicro Informática e Império Representações Turísticas). "Não conheço essas empresas, não tenho contato com elas, nem sequer sei se existem."O vice-presidente da CPI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), disse que a documentação encaminhada à CPI mostra que três cheques das empresas de Vedoin apresentam, no verso, a inscrição "pagos ao senhor Abel". O empresário respondeu que só tomou conhecimento desses cheques pelo que viu no inquérito contra ele, e voltou a dizer que já pôs à disposição o seu sigilo bancário e fiscal.Dossiê contra MercadanteAbel afirmou que conhecia Darci e Luiz Antônio Vedoin, e declarou que já esteve na Planam e que eles já estiveram em sua empresa. Ele confirmou que se encontrou com Luiz Antônio em agosto deste ano, em um shopping de São Paulo, quando ele lhe ofereceu documentos que comprometeriam o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), para ser repassado ao PSDB. Os documentos comprovariam que o senador atuou na liberação de verbas na Saúde. Porém, Abel disse que não conhecia a cúpula do tucanos e apenas conheceu Barjas Negri."Esse encontro foi totalmente inútil para o Vedoin. Não dei importância, não me interessou o que ele ofereceu." Abel Pereira declarou que Vedoin pode ter achado que ele tinha ligações com o PSDB por ter doado recursos à campanha de Negri à prefeitura de Piracicaba em 2003.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.