Aasp entra com liminar contra greve no Judiciário em SP

O primeiro vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ), Mohamed Amaro,pediu explicações ao governador Geraldo Alckmin e ao presidente do TJ, Luiz Elias Tambara, por conta do mandado de segurança impetrado contra eles pela Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp). Eles são acusados de omissão na solução da greve do Judiciário paulista, que hoje entra no 31º dia.Só depois de ouvir Alckmin e Tambara é que Amaro decidirá sobre o pedido de liminar da Aasp para adoção imediata de medidas como decretar intervenção federal em São Paulo, de modo a restabelecer o funcionamentoda máquina judiciária.São três as medidas requeridas liminarmente: suspender o pagamento de dias parados aos funcionários que ?de formainjustificada e voluntária, afastaram-se do cumprimento de suas obrigações funcionais"; instalação de processos administrativos para aplicação de penas disciplinares aos grevistas e a imediata contratação, em regimede urgência ou mediante nomeações, de pessoas já aprovadas em concurso público para substituírem os grevistas na prestaçãode serviços. A greve dos funcionários do Judiciário em busca de reposição salarial vai se prolongar pelo menos até o próximo dia 11, quandoa categoria promoverá nova assembléia geral para redefinição dos rumos do movimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.