Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A voz da ‘geração evidências’

Depois de uma era viciada em mitos, teremos um ganho se o debate for baseado em evidências

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2022 | 03h00

Evidências não é apenas a música mais cantada nos karaokês da pequena Tóquio encravada no centro de São Paulo. A palavra é recorrente no jargão acadêmico atual, a ponto de ser a marca da nova geração de intelectuais brasileiros.

Dizer que o conhecimento se baseia em evidências é, claro, uma obviedade. Toda boa pesquisa acadêmica se assenta em fatos. Num país onde as “fake news” se tornaram moeda corrente, no entanto, a “geração evidências” se destaca por trazer algum rigor à conversa.

Será lançado na próxima semana o livro Reconstrução, um belo cartão de visitas da “geração evidências”. Ele reúne ensaios sobre o Brasil escritos por intelectuais que juntam as duas características: o amor pelos fatos e – como destaca o economista Persio Arida no prefácio – a juventude. A média de idade dos autores é 34 anos. A orelha do livro ficou a cargo de Arminio Fraga.

O livro, organizado por João Villaverde, Laura Karpuska e Felipe Salto – os dois últimos são colaboradores fixos do Estadão –, nasceu de uma angústia. “Todos víamos a destruição que este governo vem perpetrando em várias áreas das políticas públicas”, diz João Villaverde, professor da Fundação Getúlio Vargas e entrevistado no minipodcast da semana. “Montamos um grupo para ver o que poderíamos fazer a respeito.” 

A constatação do grupo é de que há, nas academias, nos “think tanks”, e até tramitando no Congresso, um número enorme de políticas bem desenhadas e baseadas em evidências, do meio ambiente à educação, da saúde ao combate às “fake news”. Os artigos de Reconstrução, assim, não se resumem a críticas e diagnósticos. “Todos eles trazem pelo menos uma solução prática para os problemas apresentados”, diz Villaverde. 

A “geração evidências” sucede, no debate brasileiro, não apenas à de Persio e Arminio, mas também à “geração Cebrap” – a dos intelectuais que lutaram pela redemocratização, que teve entre seus expoentes Fernando Henrique Cardoso e Paul Singer. Singer e Cardoso, aliás, mantiveram um diálogo produtivo ao longo da vida, apesar de divergirem nas posições políticas – um foi para o PT, outro fundou o PSDB. É sempre assim: os inteligentes dialogam, enquanto os obtusos se refugiam nas bolhas da polarização. 

Como Fernando Henrique e Paul Singer, ou Arminio Fraga e Persio Arida, alguns dos autores de Reconstrução certamente entrarão na política – o lugar onde, nos regimes democráticos, as ideias se tornam realidade. Serão bem-vindos. Depois de uma era viciada em mitos, paranoia e conspirações, teremos um ganho se o debate do futuro for baseado em evidências.

Para saber mais:

Minipodcast com João Villaverde

Link para a coluna de Laura Karpuska no Estadão

Link para a coluna de Felipe Salto no Estadão

*ESCRITOR, PROFESSOR DA FAAP E DOUTORANDO EM CIÊNCIA POLÍTICA NA UNIVERSIDADE DE LISBOA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.