A vitória do bebê de 19 dias transplantado do fígado

Kaylee Lindley, que agora balbucia sob um cobertorzinho amarelo, tem muita sorte e contou com a coragem dos médicos para fazer dela uma das mais jovens transplantadas do fígado do mundo.Por motivos que a ciência ainda não entendeu ainda, ela nasceu em novembro sem as células necessárias para o fígado desempenhar suas funções, incluindo a coagulação do sangue e a remoção de toxinas.Sem opções e tempo, o pai de Kaylee, Jim, concordou em doar um pedaço de sua fígado e, junto com sua mulher, Kellie, deu aos especialistas da University of Iowa Hospitals permissão para executar um transplante complexo e arriscado em sua filha.Meses depois, a operação é declarada um sucesso e faz do bebê de Port Byron, Illinois ? de apenas 19 dias na época ? um dos mais jovens sobreviventes de um transplante no mundo, acredita o hospital.?Nós sabíamos que os riscos eram grandes?, disse Kellie, segurando sua filha de seis meses no colo depois de uma visita ao médico. ?Cada vez que ela sorri para mim, cada vez que ela gorgoleja para mim, sei que valeu a pena.?Annie Moore, porta-voz da United Network for Organ Sharing, diz que o transplante de fígado de Kaylee foi um dos 158 feitos, no ano passado, em crianças abaixo de um ano. De acordo com as estatísticas fornecidas pela rede, Kaylee é a terceira mais jovem sobrevivente de um transplante de fígado doado por um parente. Mas há registros de transplantes de fígado desse tipo, bem sucedidos, em 1999 e 2000.Há ainda obstáculos a ultrapassar. Os pais de Kaylee e os médicos monitoram de perto sua saúde, o crescimento de seu fígado e a aceitação do transplante por seu corpo. Ela começou a rotina de tomar drogas anti-rejeição que durará por toda sua vida.Eles estão também vigiando a cicatrização da incisão, que está coberta apenas por um material muito fino parecido com uma malha, especial para fazer com que a pele cresça.Os médicos predizem uma vida longa e saudável para Kaylee.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.