Louisa Gouliamaki/AFP
Louisa Gouliamaki/AFP
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A vida na Lisboa ucraniana

Cerca de 40 mil ucranianos ficaram em Portugal pelo futuro que poderiam dar aos filhos

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2022 | 03h00

Os lisboetas comemoraram muito a vitória do Benfica sobre o poderoso Ajax de Amsterdam, que levou o clube português à elite da Champions League europeia. Entre os que vibraram com a epopeia dos encarnados está o engenheiro Yevhen Doloshytskyy. Ele tem 28 anos, nasceu na Ucrânia e está em Lisboa desde os nove. Chegou sem falar uma palavra de português. “A linguagem que me integrou na escola foi a da bola, que jogava com a turma”, diz Yevhen.

Ele faz parte da numerosa comunidade ucraniana de Portugal. É o terceiro maior contingente de imigrantes no país, atrás apenas dos brasileiros e cabo-verdianos, e à frente de nações que mantêm ligações históricas com Portugal, como a Inglaterra. 

Os pais de Yevhen, como a maioria dos ucranianos, vieram no período entre a exposição mundial de 1998 e o campeonato europeu de 2004, época em que havia pleno emprego em Portugal. “Estavam construindo vários estádios e um novo bairro em Lisboa, o Parque das Nações. Havia, assim, muitas oportunidades”, diz Yevhen.

Muitos desses ucranianos deixaram Portugal na crise do euro, entre 2010 e 2012. Outros – cerca de 40 mil – ficaram pelo futuro que poderiam dar aos filhos, mesmo em empregos que não condiziam com sua formação. É o caso dos pais de Yevhen. Diplomados em engenharia, trabalharam em posições subalternas no setor de serviços. O sacrifício valeu a pena. Yevhen se formou na profissão dos pais e hoje trabalha na Galp, a petrolífera portuguesa. Ele é o entrevistado do minipodcast da semana.

A solidariedade lusitana emociona a comunidade eslava. Portugueses e ucranianos deram-se as mãos numa corrente, durante uma manifestação em Lisboa. As cores azul e amarela se espalharam pela cidade, e enfeitam tascas, lojas e mercados. Chegaram a ser projetadas na fachada da embaixada russa, em protesto que virou meme. Voluntários portugueses foram de carro até a fronteira com a Polônia para dar carona a refugiados. Um casal de jovens parentes de Yevhen veio nessa leva, com os dois filhos pequenos.

“Minha geração sonha em ter as mesmas oportunidades que eu tive por usar um passaporte europeu”, diz Yevhen, que tem cidadania portuguesa. “Os jovens ucranianos veem os poloneses conseguindo bolsas de estudo, desde que a Polônia entrou na União Europeia, e se perguntam: por que não nós?” 

O casal de parentes de Yevhen trocou tais aspirações por preocupações mais imediatas. Acompanham o noticiário diariamente para saber se a casa que acabaram de construir em Kiev ainda está de pé, e se os amigos continuam vivos. A guerra de Putin estilhaça os sonhos e transforma a vida real em escombros. 

Para saber mais

Mini-podcast com Yevhen Doloshyskyy

Reportagem da The Economist sobre o ataque a civis na Ucrânia

Análise do Estadão sobre a crise do populismo de Vladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.