A um dia da posse, Senado tira painel do impeachment

A um dia da posse dos 27 novos senadores eleitos, a direção do Senado tirou da galeria de imagens da Casa, que conta a história do papel do Senado desde a instituição da República até os dias atuais, o painel com o relato e fotos do impeachment do ex-presidente e senador eleito Fernando Collor de Mello (PRTB-AL). "O painel saiu para manutenção. Logo depois da posse dos senadores, ele voltará para o lugar", garantiu o diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, ao lembrar que outros dois painéis também foram para manutenção.O painel retirado da galeria - conhecida como "túnel do tempo" e que liga o plenário às alas onde estão os gabinetes dos senadores - tinha fotos panorâmicas do povo nas ruas pedindo o impeachment do ex-presidente Collor. Relata ainda que, no dia 29 de dezembro de 1992, o Senado aprovou por 76 votos a cinco a perda do cargo por Collor e de seus direitos políticos até 2000. A sessão foi presidida pelo ministro Sidney Sanches, então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Na época, numa tentativa de preservar seus direitos políticos, Collor renunciou ao mandato antes do início do julgamento, mas a sessão teve continuidade. Há cerca de dois anos, Collor confidenciou que o seu desgosto com o impeachment foi tão grande que ele chegou a pensar em suicídio. Eleito senador por Alagoas nas eleições de outubro, Collor de Mello toma posse na quinta para um mandato de oito anos, depois de ter sido reabilitado pelas urnas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.