Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

A um ano das eleições, Alckmin se aproxima de prefeitos paulistas

Governador deve participar da Marcha Paulista em Defesa dos Municípios; em 2009, Serra não foi ao evento

Jair Stangler, do estadão.com.br,

20 de novembro de 2011 | 22h50

SÃO PAULO - A pouco menos de um ano das eleições municipais de 2012, o governador Geraldo Alckmin promove nesta segunda-feira, 21, mais um gesto de aproximação em relação aos prefeitos de São Paulo. O governador é esperado para participar da Marcha Paulista em Defesa do Municípios. O gesto mostra uma diferença importante em relação a seu antecessor, o também tucano José Serra, que em 2009 não participou do mesmo evento.

 

"O governador Geraldo Alckmin tem mostrado vontade de dialogar", elogia o prefeito de Várzea Paulista, o petista Eduardo Tadeu Pereira, que também é coordenador estadual da Associação Brasileira dos Municípios. Pereira é um dos organizadores do evento deste ano. O encontro, que reúne prefeitos de todo o Estado de São Paulo na segunda-feira, 21, e na terça, 22, acontece na Assembleia Legislativa de São Paulo.

 

Segundo Pereira, em 2009, quando foi realizada a última marcha, Serra entendeu o movimento como um gesto de confronto. "O governador na época era candidato a presidente e achou que a Marcha poderia ter o objetivo de desgastá-lo", lembra Eduardo Pereira. “Esta é a primeira marcha que nós vamos contar com o governo estadual”, afirma.

 

Ele diz ainda que, além de Geraldo Alckmin, são esperados também secretários de seu governo. “Nós insistimos muito na importância da participação do governo. Só quando a Casa Civil, através do secretário Sidney Beraldo, concordou, disse que os secretários iam ser incentivados a ir, é que nós marcamos a data”, diz Pereira.

 

Pereira afirmou também que não vê nenhum tipo de interesse eleitoral na atitude de Alckmin de se aproximar dos prefeitos. Mas afirma também não se preocupar se for esse o caso. “Se esse interesse eleitoral redundar em benefício dos municípios, tudo bem”, diz.

 

Não é a primeira vez que Alckmin faz um gesto de aproximação com os prefeitos de São Paulo. Em setembro, sacramentou a criação do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana, que terá a participação de prefeitos da Grande São Paulo e de secretários do governo estadual. Muitos prefeitos, mesmo petistas, tem elogiado essa disposição de Alckmin para o diálogo em contraste à postura adotada por Serra. “Eu sinto que o diálogo com o governo Alckmin está melhor que o diálogo com o governo Serra”, afirmou Mário Reali (PT), prefeito de Diadema, em entrevista concedida em setembro.

 

Segurança e licenças ambientais são gargalos

 

O movimento, que é suprapartidário, cobra, principalmente, que o Estado assuma a responsabilidade na questão da segurança e dê agilidade ao licenciamento ambiental.

 

A prefeita de Ribeirão Preto, Dárcy Vera (PSD) cobrou mais agilidade nos liceniamentos ambientais da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb). “Há uma certa dificuldade dos municípios em relação ao licenciamento ambiental. Inclusive, as empresas acabam indo embora das cidades em função da demora da Cetesb”, critica.

 

Outra queixa do movimento é a questão da segurança pública. “É função e dever do governo do Estado, mas está ficando a cargo das prefeituras municipais”, afirma Dárcy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.