Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

A trajetória de Aécio Neves na construção de sua candidatura

Do apoio de Fernando Henrique Cardozo para lançar sua pré-candidatura até a declaração de Serra sobre a formalização da candidatura do senador mineiro, confira com foi a trajetória de Aécio até aqui

O Estado de S. Paulo

17 Dezembro 2013 | 21h26

Com a recente manifestação de apoio de José Serra à candidatura de Aécio Neves para disputar a Presidência em 2014 e o lançamento da "cartilha" do PSDB nesta terça-feira, 17, reafirmando sua postura de oposição ao atual governo, o senador mineiro tem se tornado o nome mais cotado para disputar as eleições de 2014 pelo partido de oposição. O trajeto do senador, que também já foi deputado federal, presidente da Câmara dos Deputados e governador de Minas Gerais, tem sido marcado pelos embates com Serra e a sua tentativa de se consolidar, definitivamente, como o nome da sigla para o próximo ano. Diante disso, o Estado organizou uma cronologia da trajetória de Aécio na construção de sua candidatura até aqui:

A construção de uma candidatura

3 de dezembro de 2012

FHC lança Aécio

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso lança o senador Aécio Neves (MG) como pré-candidato do PSDB à Presidência da República pouco antes do início, em Brasília, de encontro de prefeitos da legenda com líderes do partido.

21 de fevereiro de 2013

'13 fracassos'

No mesmo dia em que o PT faz ato em São Paulo para comemorar os 10 anos de governo federal e os 33 anos de fundação da legenda, Aécio faz discurso no Senado enumerando os 13 "fracassos" do governo federal.

16 de março

Serra ameaça sair

O ex-governador José Serra dá um ultimato à direção do PSDB e diz que deixará o partido caso não seja contemplado na nova formação da direção partidária, que será eleita em maio. Serra quer a presidência do PSDB, e ameaça sair da legenda e não apoiar a candidatura de Aécio ao Planalto. Em maio, Aécio é eleito presidente nacional do PSDB.

9 de julho

Mandato único

Em reunião da Executiva Nacional, em Brasília, Aécio defende o fim de reeleição e mandato de 5 anos. O mandato único, segundo ele, acabaria com os interesses eleitorais. "Ao longo do tempo as distorções foram se agravando. Acho que o atual governo desmoralizou o instituto da reeleição no momento em que deixou de governar e passou, dois anos antes, a se preocupar com o processo eleitoral."

20 de agosto

Prévias

Aécio afirma aceitar prévias para a escolha do candidato tucano ao Planalto, mas só depois do fim do prazo de filiação partidária, em 5 de outubro. Com a decisão, Aécio deixa José Serra numa situação difícil, pois o ex-governador estuda a possibilidade de mudar de partido e até já conversou com o PPS.

10 de setembro

'Vamos conversar?'

Dando sequência à estratégia de se tornar conhecido no País, o presidente nacional do PSDB utiliza as inserções de 30 segundos do partido apresentadas na TV para criticar o governo Dilma e se apresentar aos brasileiros. "Eu sou Aécio Neves. Vamos conversar?", propõe o senador tucano no fim de cada uma das inserções.

1º de outubro

Serra fica

O ex-governador José Serra anuncia que permanece no PSDB. O tucano vinha sendo sondado para ingressar no PPS para se candidatar à Presidência no ano que vem.

16 de dezembro

Caminho livre

Serra publica em rede social mensagem na qual afirma que os defensores da candidatura de Aécio à Presidência devem formalizar a indicação "sem demora". "Aécio já é o candidato", diz o goverador Geraldo Alckmin no dia seguinte à mensagem de Serra.

Mais conteúdo sobre:
Aécio Neves José Serra PSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.