AP
AP

A trabalhadores, Lula pede 'paciência' com governo Dilma

Ao discursar em evento de comemoração pelo 1º de maio, ex-presidente defendeu a antecessora e criticou a imprensa e a elite

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2015 | 16h19

São Paulo - Ao discursar no evento de 1º de Maio da Central Única dos Trabalhadores (CUT), no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu aos trabalhadores que tenham paciência com a presidente Dilma Rousseff, como se tem com própria mãe porque ela vai fazer o País voltar a crescer. É preciso, segundo ele, dar as mãos à ela em um momento que passa por dificuldades mesmo que a presidente tome decisões que desagradem à categoria trabalhadora.


"Quero pedir a vocês que muitas vezes ficam nervosos com a Dilma, irritados, que temos de ter paciência, como temos de ter com a mãe da gente. Ela foi eleita para governar quatro anos. Temos de ver o resultado final desse governo. Não tenho dúvida que daqui a quatro anos estaremos comemorando o êxito do seu mandato", afirmou Lula.

O ex-presidente disse que vai conversar com o povo brasileiro, trabalhadores, desempregados, camponeses e empresários e desafiar os que não se conformam com o resultado das urnas e que pregam a queda de Dilma desde que a presidente foi reeleita. "O povo tem de saber, principalmente os adversários, que mexeu com a Dilma mexeu com muita gente desse País, com milhões de brasileiros e a classe trabalhadora", destacou o ex-presidente.

Candidato. Sobre a elite brasileira, Lula afirmou não entender o medo de que ele reassuma o governo brasileiro. Disse que não tem intenção de ser candidato a nada, que é um cidadão quase aposentado, que está quieto e evitando muitas coisas pelo fato de ser um ex-presidente. Contudo, destacou: "Não me chame para briga porque eu volto. Eu não tenho intenção de ser candidato a nada, mas eu tenho vontade de brigar. A Dilma é presidente e eu quero que ela governe esse País e eu fico quieto no meu lugar para não dizer que eu estou tendo ingerência."

Para ele, a elite brasileira, que contempla empresários e banqueiros, deveria agradecer sua passagem e a de Dilma no governo. Na sua opinião, porém, eles (elite) são "masoquistas e gostam de sofrer". Lula reclamou ainda sobre o que considera insinuações na imprensa sobre seu suposto envolvimento na Lava Jato, que apura denúncias de cartel e corrupção na Petrobrás.

"Eu não ia dizer isso aqui, mas estou notando todo santo dia insinuações: ah! Lá na Operação Lava Jato estão esperando que alguém cite o nome do Lula porque o objetivo é pegar o Lula. Essas revistas brasileiras são um lixo e não valem nada. Eu certamente serei criticado por estar sendo agressivo, mas queria dizer que peguem todos os jornalistas da Veja e da Época e enfiem um dentro do outro que não dá 10% da minha honestidade neste País", criticou Lula.

Segundo ele, não tem um representante da elite brasileira que já não tenha recebido auxílio e tenha sido salvo pelo Estado brasileiro. "Eu conheci muitos meios de comunicação falidos e ajudei porque acho que é importante ajudar, porque a comunicação tem de ser forte, democrática e tem de funcionar. Quando alguém dizia que o BNDES não podia financiar prédio de editora, eu dizia pode. O dono de um jornal tem de ser tratado como qualquer empresário e ter direito a um financiamento e não precisa falar bem do governo porque ninguém está pedindo isso", disse.

Afirmou ainda que antes de o Partido dos Trabalhadores governar o Brasil, o País era governado apenas para 35% da população. "Pobre não entrava em shopping, pobre e negro não voavam de avião, não faziam universidade neste País", finalizou Lula, para um público estimado em cerca de 50 mil pessoas.

O evento é organizado pela CUT, CTB, Intersindical, MST, MTST, CMP, FAF e organizações dos movimentos sociais, estudantil e sindical. A parte da manhã concentrou os atos políticos e shows musicais estavam programados para o período da tarde. Além de Lula, participaram do ato representantes de entidades sindicais, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, e o secretário de Relações Institucionais da Prefeitura de São Paulo, Alexandre Padilha, representando o prefeito da Capital, Fernando Haddad (PT).  

Tudo o que sabemos sobre:
LulaDilma Rousseff1º de maio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.