ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO

'A sociedade brasileira não suporta mais esse tipo de atuação', diz Janot sobre corrupção

O procurador-geral da República chamou atenção para 'a sensibilidade' da Justiça federal, que destinou R$ 250 milhões recuperados pela Lava Jato ao pagamento do 13º salários de aposentados e pensionistas do Rio

Constança Rezende e Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

21 Março 2017 | 16h21

RIO - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou em cerimônia de entrega ao Estado do Rio de R$ 250 milhões recuperados pela força-tarefa da Lava Jato que o dinheiro "volta para onde nunca deveria ter saído". Janot também disse que a sociedade não "suporta mais esse tipo de atuação", em relação ao esquema de corrupção investigado pelos procuradores.

"O dinheiro volta, portanto, aos cofres públicos, volta a servir, como sempre deveria ter sido feito", afirmou durante o evento, que teve participação do presidente do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), desembargador federal Poul Erik Dyrlund; do coordenador da Força Tarefa Lava Jato no Rio de Janeiro, Leonardo Cardoso de Freitas; e do procurador-geral do Estado do Rio de Janeiro, Leonardo Espíndola, representando o governo fluminense.

O dinheiro foi recuperado do esquema de corrupção que seria liderado pelo ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que foi secretário de Cabral e vice-governador, não foi ao evento.

Janot também chamou a atenção para "a sensibilidade" da Justiça federal, que destinou os recursos para o pagamento do 13º salários de cerca de 147 mil aposentados e pensionistas do Rio. O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, autorizou o encaminhamento dos R$ 250 milhões para o pagamento atrasado do abono natalino. O magistrado não participou da cerimônia.

"O Rio incorpora o que há de melhor na sociedade brasileira e esse Estado dobrou o joelho e quando o Rio dobra o joelho, o Brasil dobra o joelho. Isso é muito grave", afirmou Janot. Para o procurador, a forma de reagir a "essa insana corrupção que assola o Rio e o Brasil como um todo" é por meio da institucionalidade.

"As instituições têm que funcionar, são chamadas para mostrar a que vieram. Esse ato é para mostrar que as instituições funcionam", afirmou. Segundo ele, a institucionalidade funciona, se impõe e reage de forma legal e constitucional.

Sobre a devolução dos recursos ao Rio, o presidente do TRF afirmou que o momento é "extremamente histórico e simbólico". Já o procurador Leonardo Freitas disse que a crença de que o Brasil é o País da impunidade perde força e defendeu a colaboração premiada. "Sem ela, muitos dos avanços não ocorreriam", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.