Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin
Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A Rússia invade a Ucrânia, o mundo reage e Bolsonaro está em outro planeta

No dia da invasão, o presidente deu duas entrevistas, mas falou de futebol e não deu uma palavra sobre o conflito

Eliane Cantanhêde*, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2022 | 03h00

Enquanto a Bahia afundava em dor, lama e mortes, o presidente Jair Bolsonaro gastava R$ 900 mil para andar de jet ski no lindo mar azul de Santa Catarina. Enquanto o mundo afunda em ameaças e incertezas com a guerra na Ucrânia, Bolsonaro faz motociatas por aí. Para que serve um presidente? Para curtir a vida e fazer campanha?

Na definição do ex-chanceler Celso Amorim, a posição brasileira é “esquizofrênica”. Bolsonaro lava as mãos, como quem não tem nada a ver com isso, o vice Hamilton Mourão radicaliza, defendendo o “uso da força” contra a Rússia, e o Itamaraty faz contorcionismos em busca de racionalidade.

Essa “esquizofrenia” tem origem na incapacidade de Bolsonaro de presidir o País e na certeza de que Vladimir Putin não invadiria a Ucrânia. Por isso, Bolsonaro manteve a ida a Moscou quando o mundo já dava a guerra como certa e o Itamaraty não orientou os brasileiros que vivem na Ucrânia a deixarem o país, a exemplo de vários outros.

A guerra pegou o Brasil de calças curtas. No dia da invasão, Bolsonaro deu duas entrevistas, mas falou de futebol e não deu uma palavra sobre Rússia e Ucrânia. À noite, desautorizou Mourão. No meio-tempo, disse num post que estava “totalmente empenhado” em proteger os 500 brasileiros na Ucrânia.

O Itamaraty corrigiu: não era bem assim. E, na live com Bolsonaro, o chanceler Carlos França disse que: (1) “já estamos elaborando um plano”. Como assim? Elaborando? Já deviam ter um há muito tempo e já começado a tirar as pessoas; (2) esperavam “condições ideais de segurança”. Durante a guerra? Não era melhor antes?; (3) por fim, pediu “paciência”. Não é pedir demais a quem está sob bombardeio?

Os EUA advertiram contra a ida de Bolsonaro a Moscou, reclamaram da “solidariedade” à Rússia e pediram o voto na ONU. Em entrevista inédita, embaixadores ou encarregados de negócios do G7 (países mais industrializados), da União Europeia e da Ucrânia cobraram uma posição firme do Brasil.

Apesar dos temores e de Bolsonaro, venceram os diplomatas, os militares e a pressão internacional, e o Brasil votou contra a Rússia no Conselho de Segurança da ONU. Depois, registrou que tentara amenizar o texto, mas só para inglês ver. Ou melhor, para russo ver. Durante todo o tempo e toda a tensão, o grande ausente foi... Jair Bolsonaro, que disputa a reeleição a uma Presidência que nunca ocupou.

Dida Sampaio

Numa cobertura na Venezuela, tive sinusite e febre alta e Dida Sampaio, apesar dos pesados equipamentos, carregava meu laptop e minha mala e cuidava dos lugares nos eventos e no avião militar para mim. Eternamente grata. Grande fotógrafo, querida pessoa.

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.