Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão
Imagem William Waack
Colunista
William Waack
Colunista
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A recuperação de Bolsonaro

Traz dificuldades para Lula, a terceira via e deixa o Centrão ainda mais confortável

William Waack, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2022 | 05h00

Ainda que modesta, a recuperação de Jair Bolsonaro nas pesquisas encurtou o tempo e diminuiu as chances de alternativas ao atual presidente e a Lula, o favorito para ser o próximo. Ela matou também as chances de Lula vencer já no primeiro turno, o que submeterá o chefão petista a uma dificílima negociação antes do segundo – não para enfrentar Bolsonaro mas, sim, para tentar governar depois.

O “afunilamento” dos candidatos da terceira via está se dando pela percebida dificuldade de qualquer um deles em deslanchar, e não pela demonstração de muita força nas pesquisas. Até aqui esse afunilamento não levou a uma conjugação de esforços dos vários operadores políticos. Que permanecem dizendo haver tempo suficiente para consolidar uma alternativa à polarização.

A aparente falta de pressa desses articuladores se dá pelo raciocínio central deles: formar bancadas é tão ou mais importante do que a construção de uma candidatura presidencial. Claro que são coisas interligadas, pois um candidato competitivo ao Planalto ajuda a puxar votos para deputados federais. Mas dadas as regras de jogo do sistema político e de governo, a formação das bancadas ganhou um peso maior ainda.

No sentido das regras do jogo talvez esse seja o legado mais relevante de Bolsonaro, que entregou importantes ferramentas de poder ao Legislativo. Esse fato ficou evidenciado mais uma vez durante a janela partidária, que se encerra agora, e na qual aproximadamente 10% dos deputados trocaram de legenda. No saldo, os principais vencedores foram partidos associados à grande massa amorfa do Centrão, que estará plenamente confortável com Bolsonaro ou Lula – o que diz muito sobre a política brasileira.

A recuperação de Bolsonaro nas pesquisas não “nacionalizou” as eleições estaduais, que permanecem altamente regionalizadas e influenciam a composição do Legislativo. Ou seja, os favoritismos nos diversos Estados obedecem a fatores “locais”, sem que o candidato na liderança em cada Estado deva essa condição exclusivamente ao apoio dos líderes “nacionais”. Foi esse “regionalismo” que dificultou a formação de federações, com a qual se pretendia reduzir o absurdo número de partidos. 

A mencionada recuperação acentuou nas camadas “pensantes” das elites econômicas e políticas, além das intelectuais, um certo conforto, além de resignação, em relação ao favoritismo de Lula. Em parte esse estado de espírito é impulsionado pelo profundo horror às boçalidades bolsonaristas. Em boa parte, porém, é resultado de acomodação, complacência e a convicção de que, no Brasil, as coisas se resolvem por si mesmas. Não se resolvem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.