A nova versão do velho Inocêncio

Quem vê a atuação do deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE) em defesa da rápida apuração das denúncias contra o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP) custa a associar a imagem do atual corregedor da Câmara à do pefelista de 20 anos atrás. Em uma única manobra, em fevereiro de 1989, ele precisou de apenas 15 segundos para enterrar, de vez, a CPI da Corrupção que há meses infernizava a vida do então presidente José Sarney.Inocêncio aproveitou o vazio da Câmara numa sexta-feira, quando presidia a sessão plenária, sacou um pedido de arquivamento da CPI por falta de provas conclusivas e propôs: "Os que votam a favor desta proposição permaneçam como se acham... Aprovado", sentenciou, diante de meia dúzia de deputados desatentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.